Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ 27 de setembro: Dia Nacional d...

27 de setembro: Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos

Publicada em : 23/09/2013

Data comemorativa ressalta a importância da doação de órgãos e tecidos



Esclarecer as dúvidas sobre a doação de órgãos e tecidos e ressaltar a importância deste ato solidário. Para a Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (Cihdott) do Hospital Amaral Carvalho (HAC), esses são os principais motivos pelo qual comemora-se em 27 de setembro o Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos.

De acordo com o médico Eduardo Pracucho, coordenador da Cihdott, é necessário esclarecer dúvidas e chamar a atenção das pessoas para a doação, ato que pode ajudar a salvar vidas e a data comemorativa é uma boa oportunidade. “Algumas pessoas já ouviram falar da doação de órgãos ou conhecem alguém que precisou de uma doação, no entanto, a maioria não sabe quem pode doar, como é o processo, como é a fila de espera dos receptores de órgãos. A falta de informação sobre o assunto é muio frequente.”

No Brasil
Pracucho explica  que no ano de 2009 foram registrados 9,9 doadores de órgãos por milhão de pessoas (pmp), índice que vem aumentando gradativamente devido ao aperfeiçoamento dos processos de doação, como a rapidez nas notificações por morte encefálica, cuidado intensivo dos doadores, melhorias logísticas e o aumento dos recursos financeiros no Sistema Nacional de Transplantes. “Em 2012, o registro foi de 13,6 doadores pmp. O objetivo do Ministério da Saúde é chegar a 15 doadores pmp  em 2015. Países desenvolvidos, como Espanha e Canadá, mantêm médias acima de 20 doadores pmp”, afirma.

No HAC
Além de ser referência em atendimento oncológico, o Hospital Amaral Carvalho mantém os setores de captação e transplantes de órgãos e tecidos. A Cihdott foi implantada em 2008 e, desde então, foram realizadas mais de 100 captações de globo ocular em pacientes de câncer. “Em virtude do perfil oncológico do HAC e a baixa taxa de diagnóstico por morte encefálica, que é determinante para doação de órgãos de doadores falecidos (veja no Saiba Mais), 100% das captações realizadas na instituição são de córneas”, relata Pracucho.

A instituição é também referência nacional em transplantes de medula óssea: em agosto, o serviço completou 17 anos de atuação e alcançou a marca de 2 mil procedimentos realizados. 

Existem dois tipos de doação de órgãos:
A doação em vida, que ocorre quando o indivíduo é um cidadão juridicamente capaz, que, nos termos da lei, possa doar órgão ou tecido sem comprometimento de sua saúde e aptidões vitais. Deve ter condições adequadas de saúde e ser avaliado por médico para realização de exames que afastem doenças comprometedoras ao doador, durante ou após a doação. Pela lei, parentes até quarto grau e cônjuges podem ser doadores; não parentes, somente com autorização judicial.

A doação após o óbito por morte encefálica, que deve ser realizada com a autorização da família, por escrito - por isso é importante comunicar, em vida, à família o desejo de ser um doador de orgãos. Nesse caso, a família do doador é entrevistada por uma equipe da Cihdott e, após o consentimento familiar, o paciente passa pelo procedimento de captação de órgãos, que são encaminhados ao Sistema de Procura de Órgãos e Tecidos (SPOT). Essa organização faz o cadastro do órgão online em contato com a Central Nacional de Transplantes e de acordo com os dados compatíveis dos órgãos e a classificação dos pacientes na lista de espera, serão selecionados os receptores, dando-se sequência ao processo de transplante.

Fonte:Departamento de Comunicação - Fundação Hospital Amaral Carvalho