Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ Uso de plasma sanguíneo aument...

Uso de plasma sanguíneo aumenta em 50% regeneração de ligamentos do joelho

Publicada em : 15/12/2011

Estudo realizado na ortopedia do HC-FMUSP mostra eficácia na aplicação de Plasma Rico em Plaquetas para tratamento das lesões

Estudo realizado no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP mostrou que o uso do Plasma Rico em Plaquetas (PRP) no tratamento de lesões de ligamentos do joelho torna a cicatrização dos tendões 50% mais eficaz. Trata-se de um composto rico em fatores do crescimento obtido do próprio sangue do paciente.

Durante seis meses, 27 atletas, entre 15 e 44 anos, foram acompanhados pelo grupo da medicina esportiva da ortopedia do HC. Foi aplicado PRP durante o procedimento cirúrgico em 12 deles, os outros 15 serviram de grupo controle. No pós-operatório, os pacientes que foram submetidos à nova técnica apresentaram menos dor. “Os que receberam PRP tiveram 3,8 na escala de dor e o grupo controle 5,1”, diz o ortopedista Adriano Almeida, do IOT.

Após o período de recuperação, foi observada, por meio de exames de ressonância, uma maior regeneração no grupo que recebeu o composto. “Ambos se regeneraram, mas nas lesões em que o plasma foi usado como um complemento ao tratamento convencional houve um aumento de 50% da cicatrização”, diz o ortopedista.

Segundo Adriano, a técnica, ainda experimental, está mostrando seus resultados e pode ser um caminho para a aceleração da cicatrização, ou tentar promover a regeneração. O próximo passo será avaliar o efeito deste produto autólogo em lesões de cartilagem, já que pacientes que praticam atividades físicas de alta intensidade estão mais propensos a apresentar este tipo de problema do que os que praticam exercícios de intensidade moderada ou baixa.

“Podemos dizer que a maior cicatrização pode levar a uma diminuição do tempo de recuperação e a um tendão mais forte, com menos riscos futuros, apesar de estes fatores não terem sido avaliados no estudo”, finaliza Adriano Almeida.

Fonte:Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo/ Agência HC de Notícias