Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ Urologia do HC ganha salas cir...

Urologia do HC ganha salas cirúrgicas inteligentes inéditas no SUS

Publicada em : 11/11/2011

Nova ala terá bisturi acionado por comando de voz, microscópios cirúrgicos e aparelhos de radiofreqüência para a destruição de tumores

A Urologia do Hospital das Clínicas da FMUSP, ligado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, ganha no próximo dia 25 de outubro, terça-feira, duas salas cirúrgicas inteligentes, consideradas as mais avançadas na rede pública de saúde do Brasil, e uma nova unidade humanizada de internação hospitalar.

Os investimentos, de R$ 8 milhões, irão permitir ampliar em 40% o número de cirurgias urológicas, que passarão de 400 para 560 por mês, para os pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde). O governo do Estado de São Paulo custeia a Urologia do HC com R$ 11 milhões por ano. O novo setor irá se chamar Ala Assistencial “Aloysio Faria”, em homenagem ao doador dos recursos para a obra.

As salas cirúrgicas estão equipadas com mesas acopladas a aparelhos de raio-x, microscópios cirúrgicos, aparelhos de radiofrequência para a destruição de tumores, crioterapia, laser para tratamento de cálculos, focos em Led, monitores, transmissão de imagens para anfiteatro e web, entre outros avanços. 

Instrumentais, como o bisturi, serão acionados por comando de voz. A iluminação, composta de fita Led RGB, com controle remoto e sete tonalidades, objetiva maior conforto aos cirurgiões. O Sistema de ar-condicionado conta com filtragem absoluta independente.

Uma das salas, já preparada para receber a robótica, apresenta parede em vidro blindado e anfiteatro anexo para que os alunos possam acompanhar a movimentação do lado externo. O local ganhou uma bancada com quatro monitores e sistema de som. Câmeras especiais possibilitarão a transmissão do procedimento para os monitores, o que facilitará a visualização do campo cirúrgico pelos alunos.

Segundo o professor titular da Urologia, Miguel Srougi, a bancada do cirurgião é o centro cirúrgico e não o laboratório de pesquisa. “O pioneirismo irá permitir que a clínica exerça o ensino, a pesquisa e a assistência numa maior dimensão e com equipamentos da mais alta tecnologia”.

A unidade de recuperação pós-anestésica terá com dois leitos e posto de enfermagem. Área de recepção de paciente, expurgo, depósito de material de limpeza, área de escovação, vestiário, com dois boxes, sanitários e portas automáticas completam a modernização.

Fonte:Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo