Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ Alzheimer

Alzheimer

Publicada em : 04/08/2017

Número de pessoas com doença no Brasil pode ultrapassar um milhão


A doença de Alzheimer é a mais frequente forma de demência entre idosos. É caracterizada por um progressivo e irreversível declínio em certas funções intelectuais: memória, orientação no tempo e espaço, pensamento abstrato, aprendizado, incapacidade de realizar cálculos simples, distúrbios da linguagem, da comunicação e da capacidade de realizar tarefas cotidianas.

A doença desenvolve-se como resultado de uma série de eventos complexos que ocorrem no cérebro. Basicamente se manifesta pela alteração de todas as funções cerebrais. Sendo o cérebro o único órgão do corpo primariamente afetado.

“A partir dos 65 anos, a doença se manifesta de forma mais frequente, porém pode se manifestar em idades mais precoces, principalmente a partir dos 50 anos. A doença pode ser hereditária em sua forma rara”, explica o médico geriatra, Thiago Monaco.

Evolução
A doença evolui da seguinte forma: Leve, moderada, moderadamente grave e grave. Nos casos mais leves, apenas lapsos de memória podem ser as únicas manifestações. Nos mais graves, o paciente mostra-se dependente de terceiros para suas atividades diárias e sobrevivência.

Já nos casos mais avançados, há perda do senso crítico, o que em algumas vezes pode levar a necessidade de interdição do paciente. “Não existe prevenção para o Alzheimer. Alguns estudos sugerem que atividades intelectuais como leitura, por exemplo, podem retardar as manifestações clínicas da doença”, alerta o geriatra.

Diagnóstico precoce
Todas as pessoas possuem lapsos de esquecimento, independente de idade, porém, quando acontece com frequência pode ser indício de um quadro patológico. É preciso atentar aos primeiros sinais de esquecimento e desorientação. “Recomenda-se que a família tente conversar com seu ente querido sobre o que está percebendo, observando em quais momentos estes sintomas são mais recorrentes e, sobretudo, se estão aumentando e interferindo nas atividades rotineiras”, adverte Thiago.

O diagnóstico da doença é feito por meio de avaliação clínica detalhada e exame físico completo. Exames complementares podem ser úteis e a avaliação neuropsicológica tem sido solicitada com muita frequência pelos profissionais.

Por se tratar de uma doença progressiva, neurodegenerativa e irreversível, o quadro pode piorar de forma.

Uma parcela dos doentes, especialmente nas fases iniciais e intermediárias, pode se beneficiar de medicamentos específicos para o tratamento. Entretanto, não existe nenhum medicamento que garanta a cura ou que interrompa definitivamente o curso da doença.

Convivendo com Alzheimer
Lidar com uma nova realidade é sempre difícil, principalmente quando se refere a um diagnóstico de Alzheimer. Esta é uma das razões que podem fazer com que alguns pacientes manifestam sintomas de depressão. A tristeza constante, o negativismo, o pessimismo e a desesperança podem aumentar.

Incentivar o enfrentamento das dificuldades, estimular pensamentos positivos e especialmente oferecer apoio emocional no escopo de transmitir tranquilidade, principalmente nos momentos de angústia e irritação torna-se indispensável.

Auxiliar no controle do uso de medicações; ajudar na orientação temporal utilizando calendário; auxiliar nas atividades diárias criando rotinas, são algumas maneiras de atenuar a situação. Procurar um grupo de apoio e acompanhamento psicoterapêutico também podem ajudar no processo de acompanhamento do paciente.

Outra dica bastante recomendada é ler sobre o assunto e receber orientação de profissionais. A doença exige paciência, dedicação e compreensão. A negação da realidade, a falta de paciência, a ignorância e o abandono, são os principais fatores que favorecem para um isolamento do paciente e possível agravo da doença. O doente de Alzheimer morre por complicações associadas à doença, principalmente por infecção respiratória.

“A solidariedade, o apoio e a compreensão não podem faltar nos cuidados com o doente. O paciente não deve sentir-se excluído da rotina e convívio familiar, pois, a doença, por si só, não acarreta primariamente a morte”, finaliza o geriatra.

Cresce o número de doentes de Alzheimer

Embora não exista cura para Alzheimer, os medicamentos atuais conseguem atrasar a progressão da doença

De acordo com o estudo da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), apontou que daqui dez anos o Brasil terá uma população de mais de 60 anos de idade de quase 24 milhões, dos quais uma parcela bastante significativa está exposta a desenvolver doenças crônicas, entre elas a doença de Alzheimer. Em 2017, serão 2,4 milhões de idosos acima de 80 anos. “Esse contingente deverá gerar um significativo impacto econômico e social”, alerta o geriatra, Dr. Thiago Monaco.

A situação é preocupante, já que a patologia envolve o doente e a sua família - geralmente seus cuidadores. Além disso, em termos de saúde pública, uma maior incidência da enfermidade provoca maiores preocupações em termos de bem-estar social, econômico e de qualidade de vida.

Embora a divulgação de informações a respeito da doença tenha aumentado e melhorado muito nos últimos anos, ainda há, infelizmente, desconhecimento. Embora não exista cura para Alzheimer, os medicamentos atuais conseguem atrasar a progressão da doença. Situação de extrema importância na medida em que melhoram os sintomas. Estudos indicam que idosos que ocupam o seu tempo com atividades intelectuais ou que mantêm uma interação social mais ativa estão menos propensos a sofrer do distúrbio, essas atividades podem se resumir desde uma simples caminhada, já que o exercício físico também é importante nessa fase da vida, até a participação em associações de idosos e trabalhos comunitários, ou, simplesmente, o bate-papo com os amigos e, até mesmo, uma simples palavra-cruzada.

Alzheimer não é:

- Uma consequência do envelhecimento;
- Endurecimento das artérias e veias do cérebro;
- Falta de oxigênio no cérebro;
- Causada por estresse, trauma psicológico ou depressão;
- Retardo ou preguiça mental;
- Azar ou castigo.

Dez sinais de alerta

1. Problema de memória que chega a afetar as atividades e o trabalho;
2. Dificuldade para realizar tarefas habituais;
3. Dificuldade de comunicar-se;
4. Desorientação no tempo e no espaço;
5. Diminuição da capacidade de juízo e critica;
6. Dificuldade de raciocínio;
7. Colocar, freqüentemente, coisas no lugar errado;
8. Alterações freqüentes de humor e comportamento;
9. Mudança de personalidade;
10. Perda da iniciativa para fazer as coisas.

Fonte:Projeta Comunicação