Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ 57,1% das famílias paulistanas...

57,1% das famílias paulistanas seguem endividadas em maio

Publicada em : 10/06/2013

Pesquisa realizada aponta manutenção do porcentual do mês anterior e endividamento segue sendo o mais alto desde 2006


A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), aferida pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) em maio, apontou que 57,1% das famílias paulistanas seguem endividadas. O número de famílias com algum tipo de dívida apresentou estabilidade em relação ao mês anterior e se manteve no nível mais alto desde junho de 2006. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o nível de endividamento apresentou alta de 3,9 pontos porcentuais (p.p.), passando de 53,2% para 57,1%.

Em números absolutos, o total de famílias endividadas se manteve em 2,04 milhões no mês, sendo que em maio de 2012 esse número era de 1,9 milhão, apresentando alta, ano a ano, da ordem de 136 mil.

O endividamento é maior entre as famílias que ganham até dez salários mínimos com peorcentual de 61,2% de endividados. Já nas famílias que ganham mais de 10 dez salários mínimos o endividamento é de 45,1%. Em maio, as famílias com renda superior a dez salários mínimos apresentou queda de 4,5 p.p. em relação a abril. Enquanto que as famílias com renda inferior o endividamento apresentou alta de 1,6 p.p. no mesmo período.

De acordo com a FecomercioSP, a estabilidade apontada em maio demonstra que o consumidor continua tendo dificuldade de equacionar suas finanças e ainda recorre aos financiamentos para manter seu nível de consumo. Isso vem ocorrendo por causa do efeito inflacionário verificado nos últimos meses, principalmente, nos preços dos alimentos, o que vem impactando negativamente o comprometimento da renda das famílias paulistanas.

A PEIC apontou ainda que o principal tipo de dívida continua sendo o cartão de crédito (73,3%), seguido por carnês (17,5%), financiamento de carro (16,7%), crédito pessoal (11,5%), financiamento de casa (7,8%), cheque especial (6%), e outros. Segundo a FecomercioSP, o alto nível de utilização do cartão de crédito se deve, principalmente, à expansão do consumo nas classes C, D e E. Os cartões são oferecidos até mesmo gratuitamente e sem que o consumidor tenha conta bancária, oferecendo adicionalmente o parcelamento das dívidas.

Fonte:FecomercioSP