Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Desejo de consumo dos jovens

Desejo de consumo dos jovens

Publicada em : 18/03/2013

Pesquisa revela que ter um equipamento eletrônico é uma das prioridades dos jovens da periferia


Pesquisa realizada entre setembro e dezembro de 2012 avaliou o comportamento e os sonhos de consumo de equipamentos eletrônicos dos jovens (15 a 24 anos) moradores de bairros da periferia urbana da Grande São Paulo. Durante quatro meses, foram levantadas informações qualitativas por meio de entrevistas individuais e grupos focais que indicaram que a aquisição de equipamentos eletrônicos é uma das grandes prioridades dos jovens da periferia, junto com formação universitária e busca de uma carreira profissional.

“Estes resultados foram coerentes com outros estudos realizados anteriormente, pois mostraram que os jovens moradores da periferia desejam ter profissões que gerem recursos para adquirir produtos e serviços relevantes para as suas vidas. Em outras palavras, os jovens da periferia desejam participar da sociedade do consumo tanto como trabalhadores quanto como consumidores”, afirma Andrea Costtanzi, diretora da empresa Di Capire, especializada em pesquisa de mercado, que realizou este trabalho.        De acordo com o estudo, se pudessem, os jovens teriam todos os aparelhos eletrônicos possíveis, mas como os recursos são limitados eles acabam priorizando a aquisição de acordo com o seu estilo de vida.  No entanto, os smartphones são a prioridade de aquisição da maioria dos jovens da periferia hoje.

Segundo os jovens ouvidos pela Di Capire, essa preferência ocorre por um motivo prático: os smartphones têm “tudo em um”, ou seja, são telefones que permitem fotografar, filmar, jogar, ouvir música e acessar a internet e as redes sociais. “Além disso, existe um motivo simbólico, que é o status social que esses aparelhos geram nos jovens da periferia, especialmente quando são produzidos pelas marcas mais cobiçadas do mercado, como Apple e Samsung”, explica Andrea Costtanzi.   A pesquisa deixou claro que, para este público, possuir um smartphone de última geração gera um reconhecimento social e um consequente conforto emocional que faz com que esses jovens comprometam grande parte dos seus recursos para adquiri-los. Em muitas entrevistas, foram verificadas situações de um jovem ter desembolsado cerca de R$ 2 mil reais no aparelho e não ter dinheiro para colocar crédito nele.

Fonte:g6 Comunicação