Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Investimento em mobilidade urb...

Investimento em mobilidade urbana

Publicada em : 10/07/2012

Financiamento é destinado à modernização das Estações da Linha 8 da CPTM e ao prolongamento da Linha 2-Verde do Metrô

O governador Geraldo Alckmin assinou o contrato de financiamento de R$ 1,472 bilhão com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para o prolongamento da Linha 2-Verde e modernização das estações da Linha 8-Diamante da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Os recursos serão investidos em obras que facilitarão o dia a dia da população da capital e da Região Metropolitana.

Do total do financiamento, serão destinados R$ 922 milhões ao prolongamento da Linha 2 – Verde do Metrô, que será no sistema de monotrilho no trecho entre Vila Prudente e Hospital Cidade Tiradentes. Com 24,5 km de vias elevadas, o monotrilho terá 17 estações e 54 trens serão comprados para toda a linha, atendendo 890 mil passageiros/dia. A extensão total do empreendimento está orçada em R$ 4,9 bilhões (incluindo as obras civis, equipamento elétrico e trens).

O primeiro trecho do prolongamento da Linha 2-Verde do Metrô, Vila Prudente-Oratório, com extensão de 2,9 km, encontra-se em implantação e é composto por duas estações: Vila Prudente e Oratório, com inauguração prevista para 2013.

Posteriormente, a linha seguirá de Oratório a São Mateus, com extensão de 10,1 km e oito estações: São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstoi, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus. Este segundo trecho, até São Mateus, deverá iniciar funcionamento em 2014. O trecho final, São Mateus - Hospital Cidade Tiradentes, terá sete estações e 11,4 km de extensão.

A implantação do monotrilho, privilegiando o canteiro central de avenidas, a uma altura entre 12 e 15 metros, minimiza a necessidade de desapropriações. A extensão da Linha 2-Verde avançará ao longo das avenidas Luiz Inácio de Anhaia Mello, Sapopemba, Metalúrgicos e Estrada do Iguatemi.

Com velocidade semelhante ao metrô convencional (máxima de 80 km/h e média operacional de 36 km/h), o monotrilho também é movido à energia elétrica, não poluente, e com reduzido ruído operacional também por rodar sobre pneus.
Quando o monotrilho estiver em operação, os moradores da Zona Leste, em São Paulo, vão poder efetuar o percurso entre os bairros Cidade Tiradentes e a Vila Prudente em apenas 50 minutos, trajeto que atualmente leva mais de duas horas para ser percorrido. Assim, a população que trafega nesse percurso economizará diariamente quase três horas para o transporte.

Modernização estações CPTM
O Governo do Estado usará R$ 550 milhões do empréstimo firmado com o BNDES na modernização das estações da Linha 8-Diamante, da CPTM, que faz a ligação entre a estação Júlio Prestes a Itapeví, passando ainda por Osasco, Carapicuíba, Barueri e Jandira em 41 km de extensão. Hoje, a linha atende 440 mil passageiros por dia útil. Além dos recursos provenientes do BNDES, o governo estadual investirá mais R$ 94,3 milhões nas estações da Linha 8-Diamante.

Seis estações serão modernizadas (General Miguel Costa, Jardim Belval, Jardim Silveira, Quitaúna, Sagrado Coração e Santa Terezinha) e outras cinco reconstruídas (Lapa, Comandante Sampaio, Domingos de Moraes, Imperatriz Leopoldina e Antônio João). Parte do financiamento será usada ainda para complementar os acessos e passarelas das estações Itapevi e Carapicuíba, cujas modernizações foram entregues à população em outubro de 2010 e março de 2011, respectivamente.

A modernização da CPTM é uma das prioridades dessa gestão. Por conta disso, as seis linhas do sistema estão passando por obras de infraestrutura, com a implantação de novos sistemas de sinalização, telecomunicações, energia, rede aérea e via permanente, além da modernização das estações mais antigas e da frota de trens. A conclusão dessas obras permitirá que os novos trens que estão sendo entregues para a frota da CPTM tenham um melhor desempenho. Resultado: redução de intervalo e aumento da oferta de lugares.

As obras contemplam a readequação funcional das estações para o novo volume de usuários, implantação de plataformas cobertas e passarelas de pedestres para a transposição da faixa ferroviária com segurança. Além disso, terão sanitários públicos comum e para pessoas com deficiência, escadas rolantes e todos os itens de acessibilidade, como elevador, piso tátil, comunicação em Braille, corrimãos e rampas readequados.
 

Fonte:CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos