Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ SP recruta crianças que fazem ...

SP recruta crianças que fazem xixi na cama

Publicada em : 11/06/2012

Projeto multidisciplinar do Hospital das Clínicas da FMUSP vai atender crianças e adolescentes de 6 a 17 anos que têm enurese noturna

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, unidade da rede pública estadual e maior complexo hospitalar da América Latina, está recrutando crianças de seis a dezessete anos que tenham episódios de enurese noturna (xixi na cama ao dormir) pelo menos uma vez por semana.

O “Projeto Enurese” é multidisciplinar e conta com a atuação de profissionais do HC das áreas de Psicologia, Fisioterapia, Nefrologia Pediátrica e Neurologia Pediatria.

Segundo a coordenadora do projeto, Vera Koch, o objetivo é dar um olhar interdisciplinar para a enurese. “Não se trata somente de xixi na cama. Pode ser um reflexo da imaturidade do desenvolvimento do indivíduo.”

O “xixi na cama” é muitas vezes negligenciado pelos pais ou até mesmo por profissionais de saúde. Entretanto, pode acarretar sérios problemas sociais e emocionais para quem sofre desse problema.

Antigamente a questão era enxergada somente como um transtorno psiquiátrico. No entanto, sabe-se hoje que podem existir outras causa. “O HC é um centro em que esse trabalho multidisciplinar é possível. Os profissionais de diferentes áreas médicas trabalham juntos, as pessoas se conversam e isso possibilita essa pesquisa mais profunda”, afirma a coordenadora.

A inscrição pode ser feita pelo telefone (11) 3091-1961. Após o cadastro inicial, a equipe envia alguns questionários pelo correio, juntamente com um envelope selado para que sejam devolvidos. A triagem é feita nas dependências do HC, por uma equipe que conta com médicas, psicólogos e fisioterapeutas.

As crianças e adolescentes passam por diversos procedimentos de avaliação, como exame físico, exames laboratoriais, polissonografia, avaliação psicológica e posturografia. A terapia recomendada pode envolver uso de medicamentos e/ou utilização de alarme, conforme a necessidade de cada paciente.

Fonte:Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo