Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Economia com material escolar

Economia com material escolar

Publicada em : 05/01/2012

Pesquisa, planejamento e organização são a chave para os pais que não querem se endividar

 O ano letivo mal acabou e os pais já têm que ficar atentos às compras do material escolar para 2012. O problema é que esses gastos vêm com a enorme conta do final de ano. São presentes, jantares, roupas, viagens, impostos e uma infinidade de outras coisas que pesam na conta bancária. Mas, a compra do material escolar não precisa ser um roubo. Basta seguir algumas regras que garantem o futuro do seu filho e do seu bolso também.

Digamos que a lista toda tenha custado no ano passado cerca de R$ 360,00. Não é um grande desafio imaginar que no ano que vem ela deva custar no mínimo o mesmo. Ou seja, a família pode se planejar e provisionar R$ 30 todos os meses para pagar a lista de material sem “stress”.

Certamente esses 30 reais por mês vão fazer bem menos diferença do que os 360 de uma vez. Certamente essa dica vai ficar para 2012, mas, agora o que pode ser feito? O planejador financeiro, André Novaes, - fundador da Life - Finanças Pessoais – tranqüiliza milhares de pais e garante: ainda há tempo de economizar. Segundo o especialista, é necessário, antes de tudo, criar um diálogo com a escola, para verificar o que é realmente imprescindível e essencial para as primeiras semanas de aula. “Tendo esta informação, compre o restante do material duas ou três semanas depois do início das aulas, pois, os preços nas livrarias e papelarias tendem a cair drasticamente”.

Outra dica é organizar com os demais pais um grupo de compras. É melhor negociar dezenas de cadernos do que apenas duas ou três unidades para os seus filhos. A tendência é o preço cair pela maior quantia negociada. E isso vale para toda a lista. André Novaes ressalta ainda que muitos materiais podem ser reaproveitados do ano que termina. “Muitas vezes existem coisas que foram pouco usadas que podem ser reaproveitadas. Você economiza um bom dinheiro e ainda ensina para os filhos o benefício do “cuidar” das coisas e evitar desperdício”.

Fonte:Komunica Assessoria de Imprensa