Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Preço de imóvel usado sobe 36,...

Preço de imóvel usado sobe 36,44%

Publicada em : 28/10/2011

Fato ocorreu devido a alta de 13,53% nas vendas e 26,06% na locação

Depois de dois meses de queda, os preços dos imóveis usados e do aluguel residencial deram um salto em julho no Estado de São Paulo. A variação média foi 36,44% em relação a junho, maior percentual desde setembro do ano passado. As vendas de casas e apartamentos foram 13,53% maiores que as de junho e a locação de imóveis residenciais cresceu 26,06%.

Os números foram apurados em pesquisa feita pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CRECISP) com 1.478 imobiliárias de 37 cidades, incluída a Capital. Os valores levantados mensalmente compõem o índice estadual de preços de imóveis usados e aluguéis residenciais (IEPI-UR/CRECISP), cuja variação em julho foi de 36,44%.

As 1.478 imobiliárias consultadas alugaram em julho 3.057 imóveis, o que fez o índice de locação evoluir de 1,6407 em junho para 2,0683 em julho. Essa alta de 26,06% no número de casas e apartamentos alugados reflete o bom desempenho da locação nas quatro regiões que compõem a pesquisa estadual do CRECISP: Capital (+ 40,6% na comparação com junho), Interior (+17,24%), Litoral (+ 27,48%) e as cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco (+ 22,94%).

Os aluguéis de até R$800,00 predominaram em três das quatro regiões: Interior (58,66% do total de novas locações), Litoral (58,24%) e a região formada pelas cidades do A, B, C, D mais Guarulhos e Osasco (61,38%). Na Capital, aluguéis de até R$1.200,00 responderam por 52,86% das locações de julho.

Casas foram mais alugadas (1.659) que apartamentos (1.398) e o fiador continuou sendo a forma preferencial de se dar garantia ao dono do imóvel em caso de inadimplência do inquilino. A pesquisa CRECISP constatou que ele esteve presente em 82,15% dos contratos formalizados no Interior, em 50% dos contratos do Litoral, em 48,3% na Capital e em 44,58% nas cidades do A, B, C, D, Guarulhos e Osasco.

 

Fonte:CRECISP