Educação

Home/ Notícias Online/ Educação/ Português tira estudantes em p...

Português tira estudantes em processos seletivos

Publicada em : 10/04/2013

Pesquisa feita pelo Núcleo Brasileiro de Estágios revela: o jovem brasileiro precisa escrever melhor


Uma das ferramentas mais observadas por gestores em processos seletivos, o teste ortográfico, foi tema de uma pesquisa do Núcleo Brasileiro de Estágios – Nube. Realizado durante todo o ano de 2012, com 7.219 participantes, o estudo reuniu informações e estatísticas importantes quanto ao desempenho dos jovens de diferentes segmentos, áreas de atuação e de ensino.

O teste foi aplicado na forma de ditado, com 30 palavras do cotidiano, como “seiscentos”, “escassez”, “artificial”, “sucesso”, “licença” e “censura”. Era considerado reprovado quem cometesse mais de sete erros. Exatos 2.081 candidatos (28,8%) não obtiveram êxito na etapa da seleção e foram eliminados. As mulheres se saíram melhor. Apenas 26,6% não passaram. Já entre os homens, o número foi maior, 32%. O estudante de Gestão de TI, Leonardo Lopes, levanta uma reflexão sobre a nova ortografia. “Um dos problemas é o costume com a linguagem da Internet. Em certos casos, para agilizar, esse formato é essencial. Mas é preciso separar o mundo virtual da realidade. Quantas pessoas se preocuparam em ler o novo acordo ortográfico? Com certeza poucos. Web é importante, ajuda muito, mas ler um bom livro também é fundamental”, acredita Lopes.

Seguindo a linha estatística, um dado chamou a atenção: os mais novos, com idade entre 14 e 18 anos, apresentaram melhor desempenho, com 75% de sucesso, superando outras faixas como a de 19 a 25 anos (68,9%), 26 a 30 anos (69,2%) e acima de 30 anos (71,2%). “Impressiona o fato de os jovens na fase da universidade, registrarem erros graves na grafia. Apenas 25% dos brasileiros mantém o hábito da leitura. Com isso, o reflexo é percebido antes até de ingressarem no mercado de trabalho. Muitos ficam pelo caminho e são excluídos das chances de construírem uma carreira, por terem pouca intimidade com as palavras”, analisa o supervisor de seleção, Erick Sperduti.

Separando por níveis de ensino, alunos de médio técnico lideram negativamente o ranking com pior desempenho nos testes ortográficos. Em torno de 37% ultrapassaram as falhas aceitáveis, seguidos dos estudantes do superior tecnólogo (30%), médio (29%) e superior (28,5%). Quem estuda em escola pública, teve desempenho pior (30%) se comparados a instituições particulares (17%). Já na faculdade os dados quase se invertem. Cerca de 30% dos jovens das escolas privadas ficaram para trás contra 19% das faculdades municipais, estaduais ou federais.

Entre os cursos, também foram divididos aqueles com melhores e piores índices. Com desempenho mais baixo, em quantidade de reprovados, estão os alunos de Pedagogia (50%), Jornalismo (49%), Matemática (41,4%), Psicologia (41%) e Ciência da Computação (40%). Na outra ponta, com maior aprovação estão Comércio Exterior (83%), Medicina Veterinária (82%), Relações Públicas (80%), Engenharia de Produção (80%), Nutrição (75,5%), Engenharia Elétrica (74,5%) e Direito (74%).

“A prática de leitura e, principalmente, o hábito de escrever suas ideias é um bom exercício para aprimorar a linguagem e não perder boas oportunidades em provas como o Enem ou processos seletivos”, ressalta Sperduti. “O desafio para os futuros profissionais não é apenas concluir o curso, mas mostrar domínio do nosso idioma”, finaliza.

Fonte:Nube