Educação

Home/ Notícias Online/ Educação/ Como a música cai no Enem

Como a música cai no Enem

Publicada em : 11/09/2012

A comissão organizadora é bem eclética em relação à seleção de músicas feitas para a prova


De acordo com a rede, seja na interpretação de texto ou na prova de inglês, várias letras de músicas já foram utilizadas no Enem com o intuito de avaliar a reflexão dos candidatos sobre o tema abordado na canção.

Ricardo Fasti, diretor da Universia Brasil, afirma que “para interpretar melhor uma música, o estudante tem de mergulhar na cultura do país de origem, na época em que ela foi escrita e, principalmente, na mensagem que ela quer passar”, aponta.

De acordo com Marcilio Bittencourt Gomes Jr., professor de literatura da Oficina de Estudante, o Enem é uma releitura dos vestibulares federais, e utilizar músicas nas provas comprova que o exame está sendo moldado de acordo com as provas das instituições tradicionais como, por exemplo, USP, UNESP e Unicamp. "Usar música na prova não é uma novidade. A UNESP, por exemplo, faz o uso de canções em sua prova sistematicamente", explica.

A Universia Brasil lembra aos estudantes que entre os principais autores brasileiros estão Chico Buarque e Gilberto Gil. Entretanto, a comissão organizadora é bem eclética em relação à seleção de músicas feitas para a prova. Na edição de 2007, por exemplo, os textos fornecidos como base para a redação foram duas músicas de rock: "Ninguém = Ninguém", do grupo Engenheiros do Hawaii, e "Uns Iguais Aos Outros", dos Titãs.

Na edição de 2010 mais uma banda de rock foi selecionada para compor o exame. Dessa vez a escolhida foi "Viva La Vida", do grupo britânico Coldplay, utilizada na prova de inglês.

Alexsandra Bentemuller, gerente responsável pelo conteúdo do portal da rede, aconselha que antes de começar a interpretar a música, o aluno deve identificar o nome do autor e a época em que ela foi escrita. “Depois, é preciso relacionar os acontecimentos históricos da época com os temas que estão sendo pedidos na questão. A dica é criar conexões entre os acontecimentos históricos e o que está sendo pedido no exame. Isso irá facilitar a sua interpretação e, consequentemente, ajudá-lo a solucionar a situação problema. Muitas vezes, a resposta pode estar no próprio texto ou até mesmo na pergunta”, diz ela.

Fonte:Tamer Comunicação Empresarial