Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Dulce Quental

Dulce Quental

Publicada em : 08/06/2016

Lança LP Música e Maresia no Sesc Belenzinho com participação de Carlini

Divulgação
Artista lança trabalho inédito em vinil, gravado nos anos 90, no mesmo momento em que coloca no mercado a edição digital de seus três primeiros discos pelo seu selo digital Cafezinho Edições.

O Sesc Belenzinho apresenta a cantora e compositora Dulce Quental – uma das precursoras do pop brasileiro - em show de lançamento do LP Música e Maresia, no dia 25 de junho (sábado, às 21h).

O vinil – que sai pelo selo paraense Discosaoleo – traz a marca atemporal da artista reunindo gravações inéditas, realizadas em meados dos anos 90, de composições feitas em parceria com Frejat, George Israel e Luiz Carlini.

Somente agora os fãs de Dulce Quental - vocalista original da banda Sempre Livre, autora de discos clássicos do fim dos anos 80 - podem apreciar o registro dessas composições com os arranjos originais da época, sobretudo canções surpreendentes pela atualidade sonora, pelo pop brasileiro de todos os tempos. Músicos como Sérgio Dias, Sasha Amback, Nilo Romero, Jaques Morelenbaum, além de Frejat e Carlini participam das faixas. 

Este é um momento ímpar na carreira de Dulce: além de lançar o vinil, guardado por mais de duas décadas, seus três primeiros discos solos ganham lançamento digital pela Cafezinho Edições, selo da artista. Trata-se de Délica (1986), Voz azul (1987) e Dulce Quental (1988), que estarão disponíveis no iTunes a partir do dia 17 de junho e nas lojas digitais, dia 24 de junho. (Release completo aqui - http://goo.gl/kLxfXW).

O show Música e Maresia marca esse momento importante da trajetória de Dulce Quental, que celebra o tempo de suas canções apresentando não só hits, mas também obras inéditas e parcerias recentes com jovens compositores. Do novo LP a cantora interpreta a música título e “Girassóis Azuis” (escritas com George Israel), “Eternamente no Coração”, “Antes de Acordar”, “Amor, Perigoso Amor” e “Guarde Essa Canção” (todas com o parceiro Frejat) e “Púrpura” (um rock composto junto com o guitarrista Luiz Carlini).

Do repertório dos anos 80, Dulce promete cantar “Caleidoscópio”, “Natureza Humana”, “Não Atirem no Pianista”, “Bossa do Bayard”, “Numa Praia do Brasil” (de Arrigo Barnabé), “Bordados de Psicodélia” (bela parceria com Moska, registrada no CD Beleza Roubada - 2004), “A Inocência do Prazer” (música de Cazuza e George Israel, escrita para ela) e “Qualquer Lugar do Mundo” (de Beto Fae e Aldo Meolla). Destaque também para “O Poeta Está Vivo” (balada escrita com Frejat em homenagem a Cazuza) e “Tempo Circular” (música inédita, parceria com Paulo Monarco), entre outras.

O repertório, embora extraído de contextos diferentes, não confere ao show de Dulce Quental o caráter retrospectivo. Seu percurso na cena musical brasileira segue um ritmo pessoal, onde a busca pela escrita poética e sofisticação do pop resulta em um estilo sempre atual. Sobre o processo de renovação de seu trabalho, Dulce declara: “Eu priorizo o processo em vez do resultado, fazendo da busca e da pesquisa pessoal um objetivo maior do que o sucesso e o mercado. Nesse sentido, a minha trajetória acabou se tornando singular... Por estar sempre recomeçando e desejando aprender mais, inclusive com os novos. Estar junto de quem está no início para aprender com eles e me renovar... Sou uma espécie de Vampiro Lestat”.

Música e Maresia – o LP

O LP Música e Maresia (Cafezinho Edições/Discosaoleo) foi gravado, originalmente, entre 1991 e 1994. O disco preenche uma lacuna na carreira da artista, fase marcada por intenso trabalho como compositora para o Barão Vermelho, Frejat, Ana Carolina, Cidade Negra, Leila Pinheiro, Simone e outros artistas. As 11 gravações são inéditas, mas algumas canções do disco acabaram sendo gravadas por outros intérpretes.

“Eu sempre tive o desejo de lançar um disco com essas gravações. Esperava pelo momento certo. Mas foi preciso um empurrão de amigos e colaboradores para acontecer. A gente não faz nada sozinho. Acho também que estou conseguindo devido ao momento da indústria: a volta do vinil e a possibilidade de um artista independente lançar seu próprio selo e distribuir diretamente por meio de uma plataforma digital sem o intermédio de uma gravadora”, conta Dulce. Ela destaca a importância dos parceiros Mariano Klautau Filho na concepção e Leo Bitar na realização do projeto, além do artista visual José Diniz que cedeu as imagens para a arte da capa do disco.

O existencialismo e o estilo MPB misturado ao pop, rock e blues que a projetaram estão no novo álbum, que traz parcerias com Roberto Frejat, Rodrigo Santos (Barão Vermelho), Luiz Carlini (Tutti Frutti) e George Israel (Kid Abelha), além de participações especiais de nomes históricos da música brasileira como Sérgio Dias (Mutantes), Nilo Romero (que assina a produção musical de algumas faixas), Sasha Amback e Jaques Morelenbaum.

“Muitas das canções foram gravadas no sistema ADAT, formato que era possível gravar em casa, pois computador e programas de gravação ainda estavam por vir. Não há autotune para corrigir a voz, nem nada desse tipo”, explica a artista. “As gravações foram feitas, em parte, na casa do Nilo Romero, sem dinheiro, numa época em que as gravadoras estavam totalmente de portas fechadas. Infelizmente, as fitas originais se perderam, mas consegui salvar algumas coisas em fitas DAT, um pré-mix que acabou servindo de master.”

Música e Maresia traz um olhar maduro de uma artista para sua própria obra. Além do formato digital, o álbum chega às lojas no mês de junho em uma limitada edição em vinil (Discosaoleo). A produção é da Cafezinho Edições e Produções Musicais, selo da artista destinado a projetos nas áreas de literatura e música.

“Tirar isso do baú e adicionar à minha biografia é importante no sentido de olhar retrospectivamente para os caminhos que poderiam ter sido seguidos. Hoje certamente não faria da mesma maneira. Algumas coisas são mais datadas do que outras, mas a compositora está presente ali e a cantora em forma. Uma boa referência para projetos futuros. Importante arrumar o baú antes de seguir em frente. Outros projetos virão. A voz está voltando com força”, conclui Dulce Quental.

Faixas: “Ao Som de um Tambor (R. Frejat e D. Quental), “Eternamente no Coração” (R. Frejat e D. Quental), “Antes de Acordar” (R. Frejat e D. Quental), “Guarde Essa Canção” (R. Frejat e D, Quental), “Vida Frágil” (R. Frejat, Rodrigo Santos e D. Quental), “Música e Maresia” (George Israel e D. Quental), “Púrpura” (L. Carlini e D. Quental), “Dia a Dia” (R. Frejat e D. Quental), “Girassóis Azuis” (G. Israel e D. Quental), Último Vagão de Trem” (D. Quental) e “Amor, Perigoso Amor” (R. Frejat e D. Quental).

Ouça Música e Maresia - Spotify: https://open.spotify.com/album/5I5pIlWNhG9hjFvFADsVFZ
Música e Maresia - por Mariano Klautau Filho - http://goo.gl/gpa5nv


Serviço

Dia 25 de junho. Sábado, às 21h
Sesc Belenzinho
Teatro (3º andar)
Rua Padre Adelino, 1000. Belenzinho/SP. Tel: (11) 2076-9700
Ingressos: R$ 25,00 (inteira); R$ 12,00 (aposentado, pessoa acima de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública); R$ 7,50 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).
Classificação: 12 anos. Duração: 1h30. Capacidade: 392 lugares
Estacionamento: R$ 11,00 (não matriculado) e R$ 5,50 (matriculado no SESC).
www.sescsp.org.br/belenzinho

Fonte:VERBENA COMUNICAÇÃO