Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Os Jecas

Os Jecas

Publicada em : 10/06/2015

Espetáculo estreia no Galpão dos Folias as terças-feiras

Divulgação
O espetáculo poético-musical-caipira Os Jecas, convida o espectador a acompanhar as idas-e-vindas de nossos matutos da roça, hoje tão instalados e desidentificados nas nossas cidades. Com suas modas de viola, até o “sertanejo” e suas várias vertentes, a plateia acompanha musicalmente a figura dosJecas, com suas singelezas nostálgicasaliadas a um jeito próprio de ver a vida, uma ética. E vão eles matutando ironicamente sobre a realidadede ontem e hoje; cantando suas alegrias e tristezas, contando seus causos, miradas, saudades...

A montagem tem o formato de um musical que reúne canções caipiras da legítima raiz brasileira, entremeadas de poemas inspirados no nosso sertão, até chegarmos na música sertaneja atual. As músicas são interpretadas ao vivo pelos atores,com seus instrumentos (viola caipira de dez cordas, banjo, violão, percussões).

Os Jecasfoi concebido para reafirmar a importância de se manter viva a identidade brasileira. Buscando fugir da ingênua caricatura do Jeca, o espetáculo resgata histórias e memórias. O apanhado de canções e textos poéticos revela as várias facetas da arquetípica figura do Jeca. As músicas interpretadas transitam por ritmos musicais que norteiam a cultura caipira como modas de viola, pagodes e guarânias. Se busca explorar a singeleza e o encantamento para discutir questões existenciais e culturais profundas do homem brasileiro, do homem em qualquer lugar.

O interior do coração brasileiro, com suas idiossincrasias, sonhos e contradições é retratado de forma lírica e divertida. A busca pelo simples norteia o trabalho, e os atores/músicos vão criando uma relação cada vez mais direta com a plateia; e todos juntos embarcam num trem, ou numa chalana, ou num carro de boi... Juntos, na viagem, a caminho dos Jecas que fazem parte das historias de cada um!...

HISTÓRICO DO GRUPO
Em 2006, um grupo de amigos atores se reuniu e, a partir das memórias pessoais de cada um, foi criado um espetáculo teatral que por mais de três anos se apresentou pelo estado de São Paulo: temporadas na capital (Casa das Rosas, Galpão do Folias, Centro Cultural Silvio Santos, além de apresentações em Sescs, associações, etc) viajando por várias cidades do interior paulista. Nasceu Os Cafundó - divertido espetáculo baseado no texto teatral Na Roça, do mineiro Belmiro Braga, que tinha a magia de conduzir a plateia para as suas próprias memórias individuais; que emocionava e encantava com sua simplicidade e despretensão.
Um novo trabalho foi elaborado pelos atores que quiseram continuar os caminhos caipiras do Jeca: Flores Sertanejas, espetáculo cênico - musical que, sem cair nos clichês, conseguiu traduzir a poesia e a música rural para um público urbano dos dias de hoje, tão desacostumado com esse universo regional delicado e poético. Também fez um bonito caminho pelo interior de São Paulo, além das apresentações na capital (Casa das Rosas, Casa de Francisca, associações, etc); a última apresentação aconteceu na Fundação Cultural Ema Klabin, em 2014.
Esses dois trabalhos anteriores trouxeram a certeza de quanto é útil e salutar trilhar os caminhos por onde ainda é possível encontrar os Jecas mais autênticos, seja numa comunidade rural do interior ou nas periferias das grandes cidades. Continuando a pesquisa, nasce desse grupo de atores renovados por novos participantes, Os Jecas.

OBJETIVO
Refletir poética e musicalmente sobre a redescoberta do matuto caipira e a constatação da decadência das comunidades tradicionais rurais e interioranas com o advento de um homem urbano moderno, cada vez mais “desidentificado” com suas raízes, e assim perdendo seus valores e sua história, no êxodo quase que compulsório para a “cidade grande”.


SERVIÇO
Apresentações: terças-feiras do mês de Junho: 16, 23 e 30 às 21 horas.
Duração: 60 minutos.
Faixa etária: livre.
Galpão do Folias
Rua Ana Cintra, 213 – Campos Eliseos
Tel: (11) 3361-2223
Capacidade: 80 lugares.
Ingresso pague quanto quiser.
Bilheteria abre 1h antes do espetáculo.

Fonte:Elcio Rodrigues