Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Menino Deus Dioniso

Menino Deus Dioniso

Publicada em : 27/05/2014

Com inspirações distintas, o espetáculo acompanha a trajetória de um garoto que parte do interior do Maranhão para São Paulo em busca do pai

Divulgação
Foi durante uma residência artística nos Estados Unidos que o diretor de Menino Deus Dioniso, Roberto Morettho, da Cia O Grito, fortaleceu as pesquisas que o auxiliaram durante o processo de montagem da peça. Enquanto fazia um mapeamento da cultura brasileira, mais especificamente sobre a figura do Bumba Meu Boi, Roberto conheceu artistas gregos que faziam um trabalho de resgate da cultura grega, semelhante ao que realizava sobre a cultura brasileira. O diretor, então, incorporou elementos que foram estudados com os demais membros da Cia O Grito na própria Grécia, em uma pesquisa de campo subsidiada pelo Ministério da Cultura. Aspectos como movimentos corporais e sonoridade foram vivenciados e traduzidos para o espetáculo, que estreia no dia 31 de maio, sábado, ao meio dia, no Teatro do SESC Belenzinho.

Dirigida por Roberto Morettho, a dramaturgia é assinada por Denise Alves, por meio de um processo colaborativo. O cenário e figurinos são de Telumi Hellen com assistência de Clau Carmo. A maquiagem é de Roberta Uip. A iluminação é de Grissel Piguillem. A trilha sonora original é de Mariane Mattoso. As toadas originais do Bumba Meu Boi tiveram trilha de Tião Carvalho, do grupo Cupuaçu. A fotografia é de Pablo Rodrigues, os bonecos foram confeccionados por Eric Bass, Inez Ziller e Roberto Morettho no ateliê da Sandglass Theater na cidade de Putney, Vermont, Estados Unidos. Os atores são Wilson Saraiva, Manuela Amaral, Caio Merseguel e Maggie Abreu.

Preocupados em levar temáticas relevantes as crianças, a Cia O Grito apresentou, no ano passado, o espetáculo Filhote de Cruz Credo. Baseada no livro homônimo do poeta e jornalista Fabrício Carpinejar, a peça refletia sobre a forma com que a criança lida com a questão do feio na sociedade. Dessa vez, a força da montagem está na coragem e determinação do protagonista em cumprir seus objetivos de vida.

O espetáculo acompanha as aventuras de Toninho, um garoto que sai de uma pequena cidade do interior de Maranhão rumo a São Paulo para resgatar o pai, João Antônio, que ele acredita ter sido engolido por um peixe e levado por um grande pássaro. O acontecimento impediu que o pai e o padrinho, Benedito, realizassem a promessa que fizeram a São João Batista de promover a festa do Bumba Meu Boi por ocasião do difícil nascimento de Toninho.

Na trajetória, o rapaz conta com ajuda de um ser mágico, o Encantado, e Verinha, uma menina corajosa que o ajuda a enfrentar as dificuldades e decepções, como a de descobrir que os adultos nem sempre cumprem as promessas que fazem.

A saudade, as diferenças culturais e o estranhamento em um novo ambiente encorajam Toninho a seguir com sua missão de cumprir a promessa feita pelo pai, acreditando que assim salvará o seu destino e o da sua família. A história passa por uma reviravolta quando o padrinho Benedito revela um grande segredo a Toninho.

O espetáculo nasce de uma longa trajetória de estudos e interações culturais. Foram utilizadas as figuras mitológicas maranhenses do Bumba Meu Boi e do Encantado junto a características da cultura grega, como a Ta Anastenária e a sonoridade do Polifoniká.

É por meio da correlação de culturas e do sincretismo religioso que a peça transmite valores universais aos pequenos. O esforço de Dioniso em provar que era um deus em As Bacantes serviu de inspiração para retratar o esforço de Toninho em demonstrar a importância da tradição do Bumba Meu Boi na cidade de São Paulo, onde muitas pessoas não dão importância aos seus apelos.

“Antigamente, o teatro grego não era dissociado da religião, da vida e da cidade. A montagem traz essa função humanística de que é importante acreditar em algo e cumprir seus objetivos até o final. A ideia é que as crianças vejam como a crença e a esperança são importantes na vida”, explica o diretor Roberto Morettho.

A luz criada por Grissel Piguellin é lúdica e flexível. Ela estabelece o clima do entardecer maranhense com suas águas resplandecentes e cria rupturas com a luz seca e dura da cidade grande. O figurino, que muitas vezes parece se mesclar ao ambiente, elabora diferentes signos e significados.

Os bonecos confeccionados para a peça - o Encantado e uma lavadeira - foram criados pelo diretor Roberto Morettho em parceria com a Sandglass Theater, localizada na cidade de Putney, em Vermont, nos Estados Unidos da América. O trabalho conjunto surgiu de uma pesquisa sobre o bem e o mal, sombras e luz, espíritos bons e ruins, tomando como referência a cultura popular do Maranhão, numa residência artística financiada pela FUNARTE.


Para roteiro:

Menino Deus Dioniso – Estreia dia 31 de maio, domingo, às 12 horas, no Teatro do SESC Belenzinho. Dramaturgia: Denise Alves. Direção: Roberto Morettho. Elenco: Wilson Saraiva de Moraes, Manuela Amaral, Caio Merseguel e Maggie Abreu. Cenário: Telumi Hellen e Clau Carmo. Maquiagem: Roberta Uip. Figurinos: Telumi Hellen e Clau Carmo. Iluminação: Grissel Piguillem. Confecção de bonecos: Eric Bass, Inez Ziller e Roberto Morettho. Trilha Sonora Original: Mariane Mattoso. Fotografia: Pablo Rodrigues. Produção Geral: Cia. O GRITO – Cooperativa Paulista de Teatro.

Faixa etária: Livre. Duração: 55 minutos. Ingressos à venda pela Redesesc. Local: Teatro. Capacidade: 364 lugares.  Preço: R$ 10,00 (inteira); R$ 5,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$2,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes). Temporada: de 31 de maio a 22 de junho. Sábados e Domingos. No dia 19/06, quinta-feira, haverá uma apresentação extra no mesmo horário.


SESC BELENZINHO
Rua Padre Adelino, 1.000, Belenzinho Informações ao Público: Tel: 2076-9700, de terça a sábado, das 9h às 22h; domingos e feriados, das 9h às 20h, no site www.sescsp.org.br ou pelo 0800 118220. Estacionamento: 547 vagas projetadas, 04 de carga e descarga, 109 vagas para motos, 16 vagas para deficientes, 08 vagas de embarque e desembarque, 01 vaga de ônibus fretado. Preço: R$ 3,00 a primeira hora e R$ 1,00 por hora adicional (matriculados no Sesc), R$ 6,00 a primeira hora e R$ 1,00 por hora adicional (não matriculados). Para ter o desconto, é imprescindível apresentar no caixa o cartão do Sesc atualizado.

Ingressos à venda apenas na Redesesc. Não é possível comprar pela internet ou telefone. Horário da bilheteria: terça a sábado, das 9h às 21h30. Domingos e feriados, das 09h às 19h30.

Fonte:ArtePlural