Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Exposição Eikoh Hosoe

Exposição Eikoh Hosoe

Publicada em : 12/02/2014

Fotógrafo japonês internacionalmente conhecido, Eikoh Hosoe tem trabalhos expostos ao redor do mundo

Eikoh Hosoe
O Sesc Consolação apresenta pela primeira vez no Brasil a exposição Eikoh Hosoe – Corpos de Imagens, que traz as principais séries fotográficas do japonês Eikoh Hossoe – ou narrativas, como ele mesmo prefere chamá-las. Entre elas, estão as criadas em colaboração com algumas das figuras mais célebres do Japão do pós-guerra - o conturbado escritor Yukio Mishima e os dançarinos fundadores do Butô, Tatsumi Hijikata e Kazuo Ohno – e seu mais recente trabalho, Un Homme Rodin (2010), composta por uma coletânea de “retratos” das esculturas do famoso escultor francês, August Rodin, registradas no Museu Rodin de Paris.

Inéditas na América do Sul, o estúdio de Eikoh Hosoe, de Tokyo, optou por apresentá-las não só através das habituais reproduções fotográficas, mas também no formato de emakimonos*. Estes longos “rolos de imagens”, construídos em seda e washi, mesclam tradição e contemporaneidade ao remontar àquilo que há de mais artesanal na arte japonesa junto com sofisticada tecnologia de impressão.

Com abertura só para convidados no dia 25 de fevereiro e para o público a partir do dia 26, a exposição conta com projeto de Hideki Matsuka, e tem como proposta criar situações em que o espaço tradicional japonês serve de base para que se estabeleça um diálogo com a tecnologia contemporânea, permitindo que o espectador descubra e vivencie a obra de Eikoh Hosoe de uma forma dinâmica e diferenciada. Volumes, ritmos, sombras e projeções colocam o espectador em contato com a natureza experimental e subjetiva da obra do fotógrafo japonês, propiciando uma aproximação sensorial com o misterioso e intrigante universo de Hosoe.

Fotógrafo japonês internacionalmente conhecido, Eikoh Hosoe iniciou sua carreira nos anos 1950 e, desde então, vem produzindo imagens que rompem com as barreiras da fotografia tradicional. Dono de um estilo único e pessoal, seu completo domínio da técnica fotográfica permite a criação de obras que unem diferentes formas de arte, combinando a fotografia com o teatro, a dança, a performance, bem como a arte japonesa tradicional. Sua obra já foi exposta ao redor do mundo, e muitos de seus trabalhos fazem parte do acervo de alguns dos museus mais relevantes da atualidade, entre eles o Museum of Modern Art de Nova York, Art Institute of Chicago, Metropolitan Museum of Photography de Tokyo, Padiglione d’Arte Contemporanea de Milão, Musée d’art moderne de Paris etc.


Serão expostas as seguintes séries:


Man and Woman – 1959

Barakei – 1963, com Yukio Mishima.

Kamaitachi – 1969, com Tatsumi Hijikata e cartazes de Tadanori Yokoo.

Embrace – 1971

Ukiyo-e – 2002-2003

Butterfly Dream – 1960-2005, com Kazuo Ohno.

Un Homme Rodin – 2010, fotografias das esculturas de Rodin.


A exposição também apresenta exemplares dos livros editados com estas séries, um audiovisual criado pelo próprio fotógrafo com imagens de seu acervo pessoal, cinco cartazes originais em serigrafia do artista Tadanori Yokoo – um dos designers gráficos mais relevantes da atualidade –, e o único filme realizado por Hosoe, com a participação de Tatsumi Hijikata e Yoshito Ohno: Navel and A-Bomb (Heso to genbaku).


*Emakimonos: um diálogo entre dois tempos e duas técnicas

Nos últimos anos, Eikoh Hosoe vem produzindo seus trabalhos num formato tradicional da arte japonesa – os emakimonos, ou rolos impressos. Emoldurados em seda, estes rolos serviam no Japão tradicional como uma espécie de livro, para contar desde acontecimentos diários até lendas do folclore japonês. Ao dispor as imagens de suas séries lado a lado, Hosoe torna evidente que seu trabalho com a fotografia não funciona apenas isoladamente, mas como parte integrante de uma narrativa, contando uma história na qual o teatro, a dança, a literatura e as artes plásticas estão enredadas. São, no extremo, algo como um livro de artista, na qual o fotógrafo manipula tempo e espaço para dar vida a memórias, ficcionar a realidade, criando um universo misterioso e oscilante entre arte e documento. Utilizando-se de requintada tecnologia de impressão digital fineart sobre papel japonês washi, Hosoe mais uma vez atualiza a tradição e expande as fronteiras da fotografia.

A disposição dos emakimonos molda o espaço expositivo e cria um fluxo que permite ao participante uma imersão na obra de Eikoh Hosoe. Além deles, a exposição ainda possui uma sala especial de projeção na qual estará reinventada a série ukiyo-e: ao invés de dançarinos, cada espectador poderá ter seu corpo mesclado às tradicionais imagens do ukiyo-e, experimentando, na pele, um pouco do universo Hosoe.


Sobre Eikoh Hosoe

Eikoh Hosoe nasceu Toshihiro Hosoe em 1933, no interior do Japão, numa cidade chamada Yonezawa. O tempo que passou na cidade, principalmente durante o período da guerra, marcou profundamente seu imaginário. Após 1945, por sugestão dos primos, mudou seu nome para Eikoh Hosoe. Com apenas dezoito anos venceu o concurso Fuji Photo Contest e, a partir de então, decidiu tornar-se fotógrafo profissional. Em 1952 entrou para o Tokyo College of Photography, no qual se formou em 1955. Cinco anos depois, venceu novamente o Fuji Photo Contest, sendo aclamado como o “fotógrafo mais importante do ano”. Nas cinco décadas seguintes, Eikoh Hosoe produziu  diversas séries de trabalhos que o consolidam como um dos pioneiros da fotografia japonesa. Com um trabalho intensamente expressionista, que mescla desejos e memórias íntimas com a realidade objetiva, suas fotografias preto e branca em alto-contraste, gráficas, retratam um misterioso mundo interior, composto por metáforas, símbolos, mitologias para criar um universo ao mesmo tempo sensual e perturbador. Até hoje, foi o único fotógrafo japonês a receber a medalha da Royal Photographic Society como reconhecimento pela contribuição dada à arte da fotografia.


Eikoh Hosoe – Corpos de Imagens

Abertura (para convidados): Dia 25 de fevereiro de 2014. terça, às 20h.

De 26 de fevereiro a 3 de maio. De segunda a sexta, das 10h às 21h30. Sábados e feriado, das 10h às 18h30. Local: Espaço de Convivência - Térreo. Grátis.

Sesc Consolação

Rua Dr. Vila Nova, 245

Tel: 3234-3000

Fonte:Rita Solimeo Marin