Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Trair e Coçar É Só Começar

Trair e Coçar É Só Começar

Publicada em : 15/08/2013

A peça é recordista no Brasil com 27 anos em cartaz, mais de 6 milhões de espectadores, além de quatro menções no Guinness Book


A peça Trair e Coçar É Só Começar é um clássico dos palcos brasileiros. Escrita por Marcos Caruso, projetou a atriz Denise Fraga em montagem de 1989. Vista por mais de 6 milhões de pessoas em 27 anos em cartaz, com quatro menções no Guinness Book, a atual montagem - dirigida por José Scavazini e protagonizada por Anastácia Custódio - reestreia no dia 23 de agosto no Teatro APCD, em Santana.

Apresentada pela primeira vez no dia 26 de março de 1986, com a atriz Marilú Bueno como protagonista, a comédia tem como pano de fundo as intrigas e confusões criadas pela empregada doméstica Olímpia. Ela foi a primeira a interpretar a personagem principal, no total foram 13 atrizes que deram vida à atrapalhada Olímpia no teatro até agora.  Completam o elenco os atores Carlos Mariano, Jonathas Joba, Nábia Villela, Carla Pagani, Mario Pretini, Lorenzo Martin, Siomara Schröder e Ivan de Almeida.

Além de Denise Fraga e Marilú Bueno, os artistas Rômulo Arantes, José Augusto Branco, Ana Rosa, Alexandre Reinecke, Imara Reis, Roberto Arduin, Roberto Pirillo, Bruna Gasgon, Clarisse Abujamra, Mário Cardoso e Annamaria Dias também fizeram parte do elenco, totalizando quase 100 atores nesses 27 anos de estrada.

Responsável pela direção dessa montagem há dois anos e meio, José Scavazini falou sobre os maiores destaques do espetáculo. “É uma comédia que tem situações engraçadas, que se renovam a cada minuto, prendendo a atenção da plateia. São os atores que colaboraram para a longevidade do projeto, emprestando sua criatividade para a formatação de determinados papéis, que permanecem até hoje em cena. É um fenômeno do Teatro Brasileiro. Trair e Coçar é Só Começar é uma marca fortíssima.”

Baseada no gênero vaudeville – comédia ligeira pautada na intriga e no equívoco – a história gira em torno da atrapalhada empregada Olímpia que supõe traições do casal Inês e Eduardo, apesar de eles estarem preparando a festa de 16 anos de casados. A partir deste momento, uma série de mal-entendidos e subornos complica a vida dos personagens. O cenário é um apartamento de classe média. Iluminação e trilha sonora enfatizam o lado cômico da encenação.

Um dos maiores desafios do espetáculo é manter a peça viva, mesmo após tanto tempo em cartaz. “Estamos falando de uma produção que tem 9 atores no palco e, entre equipe técnica e artística, aproximadamente, 20 pessoas envolvidas. É difícil manter aquecida uma produção desse tamanho, por tanto tempo”, fala o diretor.

O texto de Marcos Caruso não foi apresentado somente nos palcos. Em 2006, serviu de roteiro para o filme homônimo estrelado por Adriana Esteves e dirigido por Moacyr Góes.  Na literatura, o jornalista João Nunes foi convidado para escrever o livro 25 + Um – A História de Sucesso do Trair e Coçar É Só Começar (Editora Giostri), que conta os bastidores da comédia há mais tempo em cartaz na história.

“O espetáculo exige muito do elenco. Concentração, desempenho físico, emissão de voz e vibração. A peça é matemática, ela só tem um objetivo que é fazer o público rir. Para isso, cada um tem uma responsabilidade, uma função diferente. Conseguimos um elenco com responsabilidade e afinado com o mesmo ideal. Eles funcionam bem juntos sempre ajustando cada vez mais essa engrenagem”, diz Scavazini.

Em 2013, o Teatro APCD está com uma programação ininterrupta e já recebeu atrações do Festival Risadaria, Os Boêmios de Adoniran, Diogo Portugal, Antes Só do que Mal Casado, Inês - Gil Vicente por ele mesmo, Comédia em Preto e Branco, A Bela e a Fera, A Cinderela, e A Fábrica de Brinquedos. Mais de 22 mil pessoas já passaram pelo local para conferir a programação.

O espaço está com mais de um ano de funcionamento e se tornou polo cultural na Zona Norte de São Paulo, inaugurado no mês de março de 2012. O Teatro APCD funciona no interior da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD). Com 1.662m², o espaço tem 800 lugares na plateia e 44 lugares distribuídos por dois camarotes. Com projeto arquitetônico de Heitor Coltro, o local possui poltronas vermelhas estofadas, palco de 7 por 6 metros, boca de cena de 16m por 5.80m.

Ficha Técnica:
Elenco: Anastácia Custódio, Carlos Mariano, César Pezzuoli, Lara Córdula, Carla Pagani, Mario Pretini, Lorenzo Martin, Siomara Schröder e Ivan de Almeida. Texto: Marcos Caruso. Direção: José Scavanzi. Direção Geral: Attílio Riccó. Produtores: Radamés Bruno e Viviane Procópio. Trilha Sonora: Miguel Briamonte. Realização: BR Produtora.

PARA ROTEIRO
Trair e Coçar É Só Começar – reestreia dia 23 de agosto, sexta-feira, às 21h30.
Temporada: sextas às 21h30, sábados às 21h e domingos às 19h.
TEATRO APCD - Rua Voluntários da Pátria 547 – Santana – São Paulo/SP. Telefone: (11) 2223-2424  Lotação: 800 lugares. Bilheteria: De quarta-feira a sábado, das 15h às 22h, e domingo, das 15h às 20h. Capacidade: 800 lugares. Ingressos: Sextas e Domingos: R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia), Sábados: R$ 60,00 (inteira), R$ 30,00 (meia) – R$ 40,00 antecipado até 1 dia antes do espetáculo. Duração: 120 minutos Classificação: 12 Anos. Estacionamento no local, coberto e com seguro. A 100 metros da estação do metrô Tietê. (http://www.apcd.org.br/teatroapcd/).

Fonte:Arteplural Comunicação