Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Dar Corda Para Se Enforcar

Dar Corda Para Se Enforcar

Publicada em : 14/08/2013

Essa é última peça inédita do projeto Baú da Arethuzza. Montagem encerra o ciclo de cinco espetáculos inéditos da cia, que investiga a evolução da teatralidade circense na primeira metade do século 20


Depois da pantomima Antes do Enterro do Anão, da burleta Caipira Vancê não viu minha fia?, do Melodrama Policial A Ré Misteriosa e do melodrama religioso A Canção de Bernadete, Os Fofos Encenam estreiam o quinto e último espetáculo inédito do projeto Baú da Arethuzza. DAR CORDA PARA SE ENFORCAR fica em cartaz durante duas semanas, entre 17 e 26 de agosto, no Espaço dos Fofos. Essa é a conclusão da pesquisa do universo do Circo-Teatro, fato que levou o grupo a indicação ao Prêmio Shell na categoria de Inovação.

Trata-se de uma comédia portuguesa escrita em 1937 por José Joaquim da Silva, Em cena estão Carlos Ataide, Cris Rocha, Eduardo Reyes, Erica Montanheiro, Katia Daher, Marcelo Andrade, Paulo de Pontes, Stella Tobar e Zé Valdir. A direção é de Fernando Neves, herdeiro de família circense.

Elaborado em ato único, o espetáculo se desenrola à beira de uma história de amor: negociante rico e ganancioso incentiva seu sobrinho pobre a enriquecer com o dote proveniente do casamento com a amada. Sem saber que a pretendente do sobrinho é a própria filha, o negociante dá conselhos de como proceder no golpe, dando corda para se enforcar.

Seguindo a tradição de outras obras de Circo-Teatro, o texto também é conhecido por nomes diversos: Rapto de Fernanda, A Cara do Burro do Pai e A Fuga da Milindrosa. A peça integra o repertório da companhia circense Circo Teatro Arethuzza (que surgiu no século 19 e existiu até meados dos anos 60).

Por conta da simplicidade do roteiro, Neves optou por apresentar a comédia em tom de chanchada. O gênero instaurou-se no período de declínio no Circo-Teatro, durante a década de 1960, fase em que as lonas e pavilhões de circo disputavam seus espectadores com as salas de cinema. “A chanchada enfatiza a criatividade do ator, cria ferramentas para improviso e exige um domínio da linguagem para não sair das particularidades. Era um recurso imprescindível para qualquer artista circense”, fala Fernando Neves.

Segundo o pesquisador da estética circense Zécarlos de Andrade, “a chanchada notabilizou-se por fazer uso de qualquer recurso para obter o riso do público mais ingênuo e menos informado. Muitas vezes, tendia ao absurdo e, em algumas situações, encaminhava-se para o terreno perigoso da vulgaridade. A chanchada foi o veículo adotado pela maioria das companhias circenses que, sem nenhuma preocupação com a qualidade do espetáculo, pareciam dizer no palco aquilo que o público de gosto menos apurado queria ouvir.”

O figurino e o cenário também mantêm as características do gênero e fogem da lógica ao misturar vestimentas de diferentes épocas. A trilha sonora é toda inspirada na norte-americana Florence Foster, cantora conhecida nos anos 40 pelas apresentações desafinadas e que não conseguia acertar nenhuma nota.

O diretor Fernando Neves enfatizou a importância do projeto, que entra em seu estágio final. “Nosso trabalho deu um panorama do teatro brasileiro do fim do século 19 e começo do século 20. Entramos nesse universo de verdade ao nos preparar para cada espetáculo, cada montagem tinha sua própria linguagem, onde nos aprofundamos e cuidamos de todas as apresentações. É gratificante participar e fomentar o circo-teatro”.

Ficha técnica

Texto: José Joaquim da Silva Gênero: comédia. Direção: Fernando Neves. Direção musical: Fernando Esteves. Assistente de direção: Paula Hemsi. Elenco: Carlos Ataide, Cris Rocha, Eduardo Reyes, Erica Montanheiro, Katia Daher, Marcelo Andrade, Paulo de Pontes, Stella Tobar e Zé Valdir. Espaço cênico: Fernando Neves, Marcelo Andrade e Zé Valdir. Iluminação: Eduardo Reyes e Paula Hemsi. Figurino: Bruno Spitaletti. Fotografia: Ligia Jardim. Direção de produção: Eduardo Reyes

Serviço
Dar Corda Para Se Enforcar. Estreia: 17 de agosto de 2013, 21h.
Espaço dos Fofos - Endereço: Rua Adoniran Barbosa, 151, Bela Vista – SP - CEP: 01318-020 . Fone: (11) 3101.6640. Temporada: 17 a 26 de agosto de 2013. Sessões: sábado: 21h. Domingo: 19h. Segunda: 20h. Indicação etária: não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 70 minutos. Capacidade: 64 lugares. Ingressos: R$ 20,00 / R$ 10,00. Ingressos antecipados: www.ingresso.com. Cartões: aceita todos os cartões. Meia entrada: para estudantes, professores da rede pública, maiores de 60 anos e classe teatral. Acessibilidade: tem acesso a deficientes. Apoio: Programa Municipal de Fomento para a cidade de São Paulo.

Fonte:Arteplural Comunicação