Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Marquesa de Santos ou dos demô...

Marquesa de Santos ou dos demônios?

Publicada em : 25/06/2013

Paulo Rezzuti lança biografia da incomparável marquesa de Santos, uma das mulheres mais notáveis e influentes da América Latina


Depois de quase um século sem que uma biografia dessa personagem tão polêmica da História do Brasil fosse publicada, temos agora a oportunidade de conhecer a trajetória verdadeira, despida de mitos e deturpações, de Domitila de Castro Canto e Melo (1797-1867), amante de dom Pedro I e uma das mulheres mais notáveis e influentes da América Latina, que, segundo o escritor Paulo Setúbal, “encheu um Império com o ruído do seu nome e o escândalo do seu amor”, e que até hoje, duzentos anos após o seu nascimento, continua a dividir opiniões, provocando paixões, admiração e ódios.

Este aguardado segundo livro do historiador Paulo Rezzutti, autor do grande sucesso Titília e o Demonão, cartas inéditas de d. Pedro I à marquesa de Santos, chega às livrarias numa edição primorosa, repleta de ilustrações e fotos coloridas, escrita em um estilo agradável, direto, sem efeitos de retórica e que se lê, portanto, com curiosidade e emoção. Esta biografia definitiva — resultado de quatro anos de pesquisa em arquivos diversos e centenas de documentos — remonta às origens da bela nascida na então pequena e provinciana São Paulo, narra o seu casamento desastroso, o início de seu romance com d. Pedro no mesmo ano em que nascia o Império do Brasil, seu poder e fascínio na corte do Rio de Janeiro, e a sua queda, não pela morte, como Evita e Pompadour, mas em consequência dos deveres imperiais de dom Pedro. Absolutamente inéditos são os capítulos sobre o retorno de Domitila ao seu torrão natal, o seu reerguimento, matrimônio com o homem mais influente da província, e sua metamorfose, aos olhos do povo, de amásia em mulher emancipada, de alpinista social em matrona protetora dos estudantes, de parasita venal em promotora de caridade, de destruidora de lares em matriarca de uma grande família, de prostituta em santa.

Nascida pouco mais de vinte anos antes do Grito da Independência e morta vinte e poucos anos antes da queda do Império que viu nascer, Domitila de Castro resume uma época, sob a ótica feminina. “Seu semissorriso no célebre retrato pode ser comparável ao de Mona Lisa”, observa o autor. “Que mistério nos esconde? Todos e, ao mesmo tempo, nenhum.” De fato, segundo a historiadora Mary del Priore, que assina o prefácio desta obra divisora de águas, ninguém conhece Domitila de Castro melhor que Paulo Rezzutti, “portanto, ninguém melhor que ele para desconstruir o mito e nos apresentar a sua história, tendo como pano de fundo as transformações políticas, sociais e econômicas do Império do Brasil”.

Esta obra traz ainda dados inéditos sobre d. Leopoldina, esposa de d. Pedro, com os quais inocenta de uma vez o imperador e a marquesa da acusação de terem provocado a morte da primeira imperatriz do Brasil. Esses dados foram auferidos da exumação de d. Pedro I, d. Leopoldina e d. Amélia, ocorrida em março de 2012, evento arqueológico da maior importância histórica, ao qual o autor foi convidado a assistir na qualidade de consultor por seus conhecimentos sobre o Brasil Império. Domitila - a verdadeira história da marquesa de Santos é o primeiro livro a fazer uso dessas descobertas fundamentais para a melhor compreensão da época em que o nosso país nasceu politicamente.

Domitila
Autor:  Paulo Rezzutti
Gênero: Biografia / História
Formato: 15,6X23 cm
Págs: 352
ISBN: 9788581301044
Preço: R$ 39,90

Sinopse:
Depois do extraordinário sucesso de seu livro de estreia, Titília e o Demonão: cartas inéditas de d. Pedro I à marquesa de Santos, o historiador Paulo Rezzutti presenteia o público amante de história e de boas histórias com a sua muito aguardada biografia de Domitila de Castro (1797 -1867), a incomparável marquesa de Santos, amante do primeiro imperador do Brasil e uma das mulheres mais notáveis e influentes da América Latina, que, segundo o escritor Paulo Setúbal, “encheu um Império com o ruído do seu nome e o escândalo do seu amor”.

Fonte:Geração Editorial