Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Ana não está

Ana não está

Publicada em : 19/03/2013

Reflexão sobre mundo contemporâneo tem direção de Gilberto Gawronski


Buzinas, gritos, tiros. A luz acaba, elevadores, TVs e telefones não funcionam. Uma multidão ocupa as ruas, passa por cima das viaturas da polícia. Os trens do Metrô param no meio das linhas. Helicópteros sobrevoam o céu. Um casal refugiado, em seu apartamento, vive o desespero à espera da filha desaparecida. Teria Ana ido à casa de algum amigo? Com uma narrativa ágil, o drama contemporâneo ANA NÂO ESTÁ estreia dia 28 de março, no Mezanino do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, na Avenida Paulista. As sessões serão realizadas de quinta a sábado, às 20h30, e aos domingos, às 19h30. A entrada é franca.

Resultado da nova safra de talentos revelados pelo Núcleo de Dramaturgia SESI- British Council (projeto que fomenta a dramaturgia e apresenta uma peça a cada semestre), o espetáculo apresenta o texto de Murilo De Paula, a interpretação de Ederson Miranda, Eliot Tosta, Raiani Teichmann, Lívia Piccolo – atores (e o assistente de direção Maurício Schneider) semeados na entidade. A montagem inédita tem a direção do ator e diretor Gilberto Gawronski, figurino de Fabio Namatame, luz de Wagner Freire, trilha sonora de Warley Goulart e vídeos de Jorge Neto.

O drama tem como pano de fundo o sumiço de Ana durante um dia de caos na metrópole, agravado pelo apagão elétrico e pela falta de informação nos noticiários. Ninguém sabe o que está acontecendo na cidade. Em meio à desordem urbana, um casal espera angustiado pela volta de sua filha de 14 anos.

Com um olhar atento ao cotidiano e utilizando ferramentas da cena contemporânea (projeções, narrativas, sonoridades), o espetáculo faz uma radiografia dos personagens que interpretam os aflitos pais de Ana. Eles convivem e tentam lidar com a perda de suas ideologias juvenis, representando o típico casal que, durante o período da ditadura militar, absorveu importante bagagem de conhecimento sociopolítico e manteve compromisso ideológico com os problemas de seu tempo.

A iluminação enfatiza a dramaticidade e a trilha sonora é baseada em ruídos urbanos, usados com doses de musicalidade. O figurino tem como referência a rotina na metrópole. Já o cenário é a sala de estar de um apartamento: móveis, objetos e fotos remetem a lembranças. A janela utiliza projeções e faz referências à tecnologia atrelada ao dia-a-dia e seus múltiplos significados.

Ficha Técnica:
Texto: Murilo De Paula. Direção: Gilberto Gawronski. Trilha: Warley Goulart. Elenco: Ederson Miranda, Eliot Tosta, Raiani Teichmann e Lívia Piccolo. Assistência de direção: Maurício Schneider. Figurino: Fabio Namatame. Iluminação: Wagner Freire. Cenografia: Gilberto Gawronski. Direção de Produção: Wagner Uchoa. Produtora Executiva: Isabel Gomez.

SERVIÇO:
Ana Não Está. Mezanino do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (SESI) – Avenida Paulista, 1313 – Metrô Trianon-Masp. Temporada: de 28 de março a 30 de junho - de quinta-feira a sábado, às 20h30, e domingo, às 19h30. Classificação: 14 anos. Capacidade: 50 lugares. Duração: 70 minutos. Gênero: Drama. Informações: (11) 3146-7405.
Entrada: franca - A distribuição dos ingressos tem início a partir da abertura da bilheteria no mesmo dia do evento. São distribuídos dois ingressos por pessoa.
Horário de funcionamento da bilheteria em março: de quarta a sábado, das 13h às 21h; domingo, das 13h às 20h.
Horário de funcionamento da bilheteria em abril: de quarta a sábado, das 13h às 21h; domingo, das 11h às 20h.

Fonte:Arteplural Comunicação