Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Uma Alice Imaginária

Uma Alice Imaginária

Publicada em : 21/01/2013

A montagem coloca personagens de Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho em situações diferentes das originais


O universo do escritor inglês Lewis Carroll (1832-1898) é o foco do espetáculo Uma Alice Imaginária, montagem da Cia dos Imaginários que reestreia dia 1 de fevereiro, sexta-feira, às 21 h, no Teatro Cacilda Becker. 

A Alice de Uma Alice Imaginária é também uma menina que despenca em um lugar completamente desconhecido e depara com as incríveis criaturas Dodô, Chapeleiro Maluco, Lebre de Março, Gato, Coelho, Lagarta e Rainha. Mas a Alice desta história perdeu algo muito importante e passa a peça tentando entender o que lhe falta de tão precioso. A menina não toma um chá, mas abre caixas que guardam coisas antigas, brinquedos velhos, louças, objetos que já tiveram sua importância dentro daquela casa, e este desvendar de coisas leva a pequena ao mundo imaginário de Carroll.

O diretor e dramaturgo René Piazentin perdeu sua mãe em 2003 e agora, 9 anos depois, encontra na personagem Alice um diálogo artístico para uma ausência que pode ser a de tantas pessoas. “É um espetáculo que dedico à minha mãe, Maria Natalina Piazentin. Sem dúvida ele tem muito de autobiográfico, uma vez que como diretor e dramaturgo encontrei na obra de Carroll um material potente, capaz de estabelecer um diálogo com minhas próprias perdas e lembranças, tentando ao mesmo tempo não fazer do espetáculo um espaço para autopiedade ou comiseração. Todos sofremos perdas e como são inevitáveis, talvez a única resposta possível seja transformar o que vivenciamos em algo que possa devolver ao mundo nossas dores e frustrações na forma de algo belo, onde nossa própria história seja um elemento que estimula a criação ,” comenta o diretor.

Onde ficam guardadas as principais lembranças? Por que não prestamos atenção naquele dia banal para depois podermos mantê-lo na nossa cabeça? Quem tranca nossos momentos no esquecimento? Essas perguntas fazem parte do espetáculo que trata de uma menina que, de alguma forma, guarda na memória os personagens de Alice, como se fosse uma jovem que se utiliza da história de Carroll para entender a sua própria.

“Mais do que apenas o estímulo à leitura, Uma Alice Imaginária convida a uma reflexão sobre como a ficção pode ser reinterpretada e levada para nossa experiência pessoal: como eu compreendo e reconstruo a ficção a partir das referências que conheço? Como reorganizo minha própria história? Como componho memórias e fragmentos do meu repertório pessoal? Em resumo, como a arte e a vida se misturam na construção do olhar e das próprias lembranças?”, indaga o encenador.

Serviço: Uma Alice Imaginária - Reestreia dia 1 de fevereiro às 21h. Teatro Cacilda Becker: Rua Tito, 295. Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00 (estudantes, terceira idade). Duração: 70 minutos. Capacidade: 198 lugares. Temporada: Sextas e Sábados 21h, Domingos 19h. Censura: Livre. Telefone: 3864-4513.

Ficha Técnica: Direção, dramaturgia, cenário, figurino, luz e trilha – René Piazentin. Assistência de Direção – Carolina Loureiro e Camila Nardoni. Preparação de atores – Fernanda Gama. Elenco – Aline Baba, Camila Nardoni, Kedma Franza, Luana Frez, Renata Weinberger, Rodrigo Sanches e Waldir Medeiros. Realização: Cia Imaginária

Fonte:Arteplural Comunicação