Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ A História do Incrível Peixe-O...

A História do Incrível Peixe-Orelha

Publicada em : 08/10/2012

Adaptação do livro de Edson Natale, que recebeu selo da ONU como uma publicação que integrou oficialmente o Ano Internacional da Água Potável


O raríssimo peixe milenar da espécie “orelha” já viveu muitos perigos nas águas brasileiras: bebeu do óleo de navios, foi atropelado por sofás jogados nos rios e vivenciou o desvio de bacias hidrográficas importantes de nosso ecossistema. Com essa experiência e sua sabedoria, o Peixe-Orelha quer conscientizar todos os seres aquáticos (e os humanos) sobre os perigos do consumo desenfreado e da poluição aquática.

Este é o mote do espetáculo infantil A História do Incrível Peixe-Orelha. A montagem é uma adaptação feita pelo dramaturgo Paulo Rogério Lopes do conto homônimo de Edson Natale, escrito em 2003 – que recebeu o selo da Organização das Nações Unidas (ONU) como uma publicação que integrou oficialmente o Ano Internacional da Água Potável. Com isso, a obra recebeu o apoio institucional da ONU, que a declarou “uma grande contribuição para a divulgação dos objetivos do Ano Internacional da Água Potável, criado pelas Nações Unidas para conscientizar a população mundial, e em especial os mais jovens, sobre o problema da água em nosso planeta”.

Protegido pelo conselho dos sábios e corajosos anciãos das águas, mares e rios, o lendário Peixe-Orelha é tido como o último de sua espécie e o único capaz de salvar a água do planeta. Isso se faz por meio dos ensinamentos transmitidos pelo peixe que vão desde estatísticas sobre a bacia hidrográfica brasileira – que concentra 8% de toda a água doce existente no mundo –, até informações sobre a quantidade de água gasta em um banho de quinze minutos, para escovar os dentes, lavar a louça ou limpar carros e calçadas.

“O teatro tem a função de educar e expandir o conhecimento com um viés artístico. Algo que pode auxiliar na formação da criança. O teatro de variedades foi uma inspiração para esta montagem, pois o espetáculo exibe uma série de números envolvendo música, mágica, recursos que estão em volta e trabalham com o mesmo tema”, diz Kleber Montanheiro.

A encenação é recomendada ao público a partir de 3 anos de idade e priorizou a criação de uma linguagem leve e lúdica que possibilitasse a discussão de um assunto de grande urgência e seriedade de forma divertida, por meio da arte. Cria-se um jogo de troca e identificação entre palco e público, convidando este a participar do espetáculo como um espectador ativo, por meio da fala, da ação e das técnicas de farsa desenvolvidas pela direção.

Os atores inserem as exaltações e participação do público no jogo teatral, conectando-as à história de modo eficiente, por meio do rompimento da chamada “quarta parede” – elemento característico do teatro realista. Prioriza-se, então, a dinâmica do enredo por meio da triangulação da comédia, do ritmo ágil e a música envolvente na forma de gags, que conduzem a seriedade do assunto com muita diversão.

“A concepção procurou trazer um ambiente fantástico para os palcos com os seres marinhos, os espelhos que se movimentam criam o reflexo do mar. Objetos do cotidiano como tampas de garrafa, esponja, panelas estão colados nos personagens. Uma iniciativa que traz uma identificação para a plateia e exprime a ideia de que esses adereços não fazem parte do mundo marinho, a questão da preservação é o mote principal da peça”, fala o diretor.

FICHA TÉCNICA:
Espetáculo: A História do Incrível Peixe-Orelha – Direção, cenário e figurinos: Kleber Montanheiro. Autor do livro: Edson Natale. Autor da peça: Paulo Rogério Lopes. Roteiro e adaptação teatral: Paulo Rogério Lopes. Música Original: Adilson Rodrigues. Iluminação: Guilherme Bonfanti. Elenco: Alessandra Vertamatti, Luciana Ramanzini, Mariana Elisabetsky, Demian Pinto, Edgar Bustamante, Fabiano Augusto. Realização: Fernanda Signorini. Classificação: 2 anos.

SERVIÇO:
Estreia dia 13 de outubro de 2012. Temporada até 16 de dezembro de 2012. Teatro Aliança Francesa. Rua General Jardim, 182 - Vila Buarque – próximo ao Metrô República. Tel.: 3017-5699 ramais 5602 / 5618 / 5617 Preços e Horários: Sábados e domingos, às 16 hora – R$30 inteira, R$ 15 meia entrada. Duração: 60 minutos. Comédia infantil. Recomendação: 2 anos. Vendas: Ingresso Rápido -http://www.ingressorapido.com.br/. Tel. 4003-1212. CC: AE, D, M e V. Informações:

http://www.aliancafrancesa.com.br/ Capacidade - 214 lugares (04 lugares para portadores de necessidades especiais). Café no saguão Douce France.

Fonte:Arteplural Comunicação