Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Bailarina mineira no palco do ...

Bailarina mineira no palco do Sesc Belenzinho

Publicada em : 25/09/2012

A série Trajeto do SESC Belenzinho revisita espetáculos que fazem parte da história recente da dança


A série Trajeto do SESC Belenzinho revisita espetáculos que fazem parte da história recente da dança, permitindo conhecer a trajetória de um coreógrafo e entender como se dá a construção do seu pensamento em dança.

No mês de setembro, o projeto contempla o trabalho da bailarina e coreógrafa mineira Dudude Herrmann, que comemora 40 anos de carreira. São dois espetáculos – Concerto Para Música & Dança (dia 27, às 20h30) e A Projetista (dias 29 e 30, respectivamente às 20h30 e às 17h) – e o lançamento de um livro: Caderno de Notações: A poética do movimento no espaço de fora (dia 27, às 21h30).

Espetáculo: Concerto Para Música & Dança
Com Dudude Herrmann, Frederico Herrmann e Renato Motha
27 de setembro – Quinta-feira, às 20h30
Sala de Espetáculos II (120 lugares). Duração 40 minutos. Classificação etária: 12 anos
Ingressos pela Rede INGRESSOSESC: R$ 24,00 (inteira), R$ 12,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública) e R$ 6,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

O programa de Concerto para Música & Dança reúne duas performances de Dudude Herrmann que dialogam com o fazer musical: Às Voltas com o Dançar e Um Solo Para Uma Dança e um Violão. Os trabalhos revelam a maneira singular como dois violonistas - Frederico Herrmann e Renato Motha - desenvolvem e elaboram suas composições e suas distintas interpretações são exploradas pela dança de Dudude, que faz uso da linguagem da improvisação neste espetáculo.

Em Às Voltas com o Dançar, a bailarina e o violonista de estilo erudito contemporâneo, Frederico Herrmann, exploram as diversas possibilidades do movimento no espaço, numa correspondência ativa entre corpo e espaço, dança e música. O trabalho tem a improvisação em dança como base, a intérprete Dudude, improvisa na ação do presente. A conversa entre corpo e instrumento é intensa: usando a palavra para provocar a imaginação, lugar onde o corpo pode ser uma coisa qualquer e vice versa, o movimento dançado e a música tocada seguem para um plano potente de imagens. Dudude e Frederico Herrmann constituem uma parceria, desde 2005, com apresentações em diversas cidades do Brasil e turnês pelas cidades de Colônia (Alemanha) e Lucerna (Suíça).

A segunda parte do programa, Um Solo Para Uma Dança e um Violão, reúne Dudude Herrmann e Renato Motha. A performance consiste em um diálogo baseado no improviso, em processo denominado pelos artistas de composição instantânea. O espetáculo tem uma estrutura, mas a peça permite que os movimentos estejam em diálogo constante com o espaço e com o momento presente. Esta intervenção cênico-musical foi criada em 1998 e apresentada no Festival de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte (FIT). A parceria entre Dudude e Renato já dura 16 anos, com apresentações em diversas cidades do Brasil, França (Ano do Brasil na França, Paris) e Alemanha (Copa de Cultura em Berlim).

Lançamento de livro:
Caderno de Notações: A poética do movimento no espaço de fora
Autora: Dudude Herrmann
Dia 27 de setembro. Quinta, às 21h30
Café do Teatro (3º Pavimento)
Livre. Grátis.

Reconhecida como uma das pioneiras da dança contemporânea no país, a artista mineira Dudude Herrmann celebra 40 anos de carreira, com lançamento da obra Caderno de Notações: A poética do movimento no espaço de fora. A obra é resultado de longa temporada de experimentações e observações nas quais Dudude se embrenhou desde 2001. Depois de um período de estudos na França, entre 2003 e 2004, a artista fez em praças e espaços públicos a pesquisa Poética de um Andarilho. Em locais ao ar livre, ela dançava, conversava, percebia ao mesmo tempo em que exercitava a escrita em cadernos escolares. Além das reflexões de Dudude, o livro contém textos críticos assinados por Cássia Navas, Luiz Carlos Garrocho e Marcos Hill, além de um DVD com depoimentos de Joacélio Batista, Juliana Saúde e Marcelo Kraiser sobre o trabalho da artista.

Espetáculo: A Projetista
Concepção e interpretação: Dudude Herrmann. Direção: Cristiane Paoli Quito. Assistência de direção: Lydia Del Picchia. Figurino: Marco Paulo Rolla. Trilha Sonora: Natalia Mallo e Danilo Penteado. Desenho de luz: Bruno Cerezoli. Captura de imagem e vídeo: Joacélio Batista e Frederico Herrmann.
Dias 29 e 30 de setembro. Sábado (às 20h30) e domingo (às 17h)
Sala de Espetáculos II (120 lugares). Duração: 60 minutos. Classificação etária: 12 anos
Ingressos pela Rede INGRESSOSESC: R$ 24,00 (inteira); R$ 12,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 6,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

Dudude Herrmann apresenta seu mais recente trabalho solo A Projetista, com direção de Cristiane Paoli Quito. Em cena, a intérprete disserta todo o tempo sobre o seu trabalho artístico. Ela projeta as ideias no espaço, sempre um pouco mais adiante. Cada insinuação de dança ou pensamento suscita novas ideias e vontades que brotam de mente e corpo inquietos.

A Projetista transita por terrenos áridos, secos, desnutridos, muito rasos, repletos e plenos de possibilidades de construção, onde só a imaginação alcança. Ela utiliza o nada para preencher o vazio do mundo. “Arte é sim experimento, voos cegos, criações espasmódicas e irreverentes, experimento necessário para o frescor e sentido da existência”, explica a bailarina. A Projetista sonha, ri, gargalha, sofre, espanta e esperneia com as exigências, e sabe que no mundo do “faz de conta” as coisas se tornam verdadeiras, mas ela também sabe que tudo é efêmero.

Segundo Dudude, a ideia de montar o espetáculo nasceu no momento em que encerrava as atividades de seu estúdio e da Benvinda Cia. de Dança, que geriu por 16 anos, em Belo Horizonte. “A palavra de ordem ou desordem era simplificar. Assim, eu me reinventei, transformando-me em artista autônoma, reaprendendo a administrar a liberdade de uma pessoa só”. Cristiane Paoli Quito, diretora paulista da Cia. Nova Dança 4, foi convidada pela artista para dirigir: “tinha a vontade de contar com um olhar de fora para aquilo que desejava construir”. O espetáculo é fruto de experiências cotidianas de fazer arte no Brasil, depois da prática de ter uma companhia e um estúdio, quando nasce a necessidade de falar um pouco sobre o extenso assunto.

SESC BELENZINHO
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700 - www.sescsp.org.br/belenzinho
Estacionamento: R$ 6,00 (não matriculado); R$ 3,00 (matriculado).
Para atividades gratuitas: R$ 6,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (não matriculado); R$ 3,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (matriculado).

Fonte:Verbena Comunicação