Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Quase-Memória

Quase-Memória

Publicada em : 09/05/2012

“Quase Memória” surgiu de um profundo estudo da relação entre corpo e objeto cênico e da poesia em cena


Escrito por Victor Nóvoa, o espetáculo traz à cena Ana Vitória Bella e Helena Cardoso, atrizes/bailarinas que darão vida a personagens que sublimam a falta ou a perda de algo: de espaço, da vida, de amor. Quatro quadros compõem a peça: “Aquela que arranca”, “Aquele que evapora”, “Aquela que contempla” e “Aquele que recorta”.

Em “Aquela que arranca”, uma criança sublima o excesso de zelo dos pais recriando seu mundo atrás de um sofá. Já em “Aquele que evapora”, entra em cena um homem que sublima o peso do cotidiano escrevendo enfurecidamente em seu quarto. “Aquela que contempla” traz à cena uma mulher que sublima a aproximação da morte ao observar as plantas de seu jardim. Em “Aquele que recorta”, um idoso sublima sua vida monótona e sem surpresas recortando imagens de mulheres que andam nas ruas.

Resultado de uma pesquisa de dois anos, “Quase Memória” surgiu de um profundo estudo da relação entre corpo e objeto cênico e da poesia em cena. Ana Vitória Bella e Helena Cardoso experimentaram durante esse período os imbricamentos entre corpo e voz; corpo e objeto; dança e teatro; poesia e cotidiano; e os espaços público e cênico.

Sentindo a necessidade de um fio condutor, a “A Digna Companhia de Teatro e Dança” encomendou a Victor Nóvoa uma dramaturgia que contribuísse para a criação. Victor escreveu então “Quase-Memória”, um texto rico em lirismo, aberto a interpretações múltiplas e que abarca todas as prioridades da pesquisa desenvolvida pela companhia.

Envolvidas no processo lúdico de criação, Ana Vitória e Helena desenvolveram um espaço cênico diferenciado, com um ambiente composto pelo amálgama entre as intérpretes, os objetos de cena e os espectadores. Não há distinção entre palco e plateia: forma-se “um delicado espaço em que as memórias dançam, brincam, confundem-se e divertem-se umas com as outras, enganando seu pretenso dono”. Uma vez que cada quadro é encenado em um ponto diferente no espaço, a cena é observada pelo público de pontos de vista diversos. Na conclusão de cada quadro representado, os objetos que se encontram com o público, são levados à cena e compõem uma última imagem daquele quadro. Ao final do espetáculo, veem-se na penumbra estas últimas imagens – as “quase-memórias” de cada história.

FICHA TÉCNICA
Criação e Direção: A Digna Companhia de Teatro e Dança
Intérpretes-Criadoras: Ana Vitória Bella e Helena Cardoso
Dramaturgia: Victor Nóvoa
Programação Visual: Henrique de França
Cenotécnica: Anike Laurita, Daniel Nakamura e Henrique de França
Preparação Vocal e Arranjos: Alexandre de Palma
Edição de Som (Evapora): Tiago Garcia
Locução (Evapora): Victor Nóvoa
Operação de Som e Luz: Renato de Azevedo
Fotos: Ricardo Bassetti

SERVIÇO:
Onde: Casa da Gioconda
Endereço: Rua Conselheiro Carrão, 288 – Bela Vista – São Paulo
Telefone: 55(11) 2589-2009 adignacompanhia@gmail.com
Quando: de 05 a 27 de maio, sábados às 21h e domingos às 20h
Quanto: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (estudantes e idosos)
Duração: 70 min
Recomendação: Livre

Fonte:André Moretti