Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Joias em exposição

Joias em exposição

Publicada em : 06/03/2012

Mostra apresenta uma seleção de adornos corporais pertencentes ao acervo etnográfico da historiadora Thereza Collor

A Galeria de Arte do SESI-SP, no Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso, apresenta de 13 de março a 10 de junho de 2012 a exposição “Joias do Deserto”, uma seleção de adornos corporais pertencentes ao acervo etnográfico da historiadora Thereza Collor. Com essa mostra, o SESI-SP oferece ao público a oportunidade de conhecer uma das mais raras coleções de todo o mundo – entre as reservas particulares e de museus – de joias, vestimentas e acessórios de povos orientais, africanos e asiáticos.

A coleção foi construída ao longo do tempo. O interesse pelos aspectos estéticos, sociais, econômicos e religiosos de culturas desconhecidas pela maior parte do mundo ocidental teve início quando Thereza Collor tinha apenas 14 anos e fez sua primeira visita ao Oriente Médio, chegando até o Irã. Após alguns anos de colecionismo, teve o apoio da sogra Eugenia, que lhe adicionou várias peças ao conjunto formado por artefatos produzidos no século XIX e início do XX.

Na mostra serão exibidas cerca de 2000 peças da joalheria tradicional – entre brincos, colares, braceletes, cintos, bolsas, vestes, tornozeleiras e adornos peitorais e de cabeça – de povos habitantes de cinco regiões desérticas: o grande Deserto do Saara – compreendendo Marrocos, Argélia, Mali, Níger, Tunísia, Líbia e Egito (até o Sinai, chegando à Palestina); o Deserto da Arábia – Arábia Saudita, Iêmen, Sultanato de Omã e Síria; os Desertos da Ásia Central – Uzbequistão, Turcomenistão, Quirguistão e Cazaquistão (passando pelo Irã, até o Afeganistão); o Deserto de Thar – Índia (Rajastão e Gujarat) e Paquistão; e o Deserto do Himalaia – Tibete (território autônomo da China) e Ladakh (região dividida entre a Índia, Paquistão e China).

Por conta de novas configurações geopolíticas e dos sintomas da globalização, muitas dessas sociedades estão em curso de desaparecimento. Desta forma, além do significado artístico, o acervo contribui com a preservação dessas culturas por reunir artefatos que revelam os costumes e tradições desses diferentes povos.

NÚCLEOS E DESTAQUES – “Joias do Deserto” dispõe a coleção de Thereza Collor em cinco núcleos multidisciplinares, determinados por cada uma das regiões desérticas abordadas na mostra.

No acervo estão peças que evidenciam as influências históricas, geográficas, sociais, políticas e religiosas das etnias. O nomadismo das populações locais, continuamente em busca de lugares menos inóspitos, faz com que produção apresente similaridade de estilos – como a presença constante de formas variadas de animais sagrados, como pássaros e peixes, representando a fecundidade – mas revela aspectos de originalidade de cada etnia, suas interpretações e funções distintas em seus países.

Entre as joias, destaque para os braceletes em forma de serpente, do Afeganistão, com desenho que remete aos modelos usados na antiguidade (foto 1), o adorno peitoral cerimonial, uma espécie de armadura usada no pescoço, com pedras de coral de madrepérola e turquesa, produzido na região de Ladakh (foto 2), as tornozeleiras com terminais de cabeça de Makara, figura mítica que vive nos rios e possui poder mágico sobre a água, vindas do Rajastão, na Índia, o par de braceletes Gubur, usado por toda noiva judia iemenita, do Deserto da Arábia, e muitos exemplos de relicários do Deserto do Himalaia, que são usados nos braços e na cintura e representam a religiosidade destes povos.

Também serão vistos artigos curiosos, com funções que diferem muito da nossa realidade cultural, como as tornozeleiras em prata chamadas Todo ou Kalla (foto 3), do Deserto de Thar, cujo objetivo é sinalizar a presença de mulheres nos ambientes da casa, e as pulseiras de prata com formas pontiagudas, que podem servir como objetos de defesa pessoal para mulheres da Índia.

A exposição traz ainda fotografias dos diferentes desertos e de seus habitantes, todos registrados pela própria colecionadora. São mais de 300 imagens, que possibilitarão ao visitante perceber o olhar criterioso de Thereza, traçando, poeticamente, o caminho desses povos através das ações do tempo.

“Joias do Deserto” tem concepção de Thereza Collor. Formada em História, foi Secretária de Turismo do Estado de Alagoas entre 1995 e 1998 e é autora do livro “Alagoas um olhar”, publicado em 2010.

Ana Cristina Carvalho é a curadora convidada da mostra, que tem projeto expositivo de Haron Cohen, produção executiva da arte3/conceito, coordenação de conteúdo de Maria José Birraque e registro fotográfico de Hugo Curti.

Exposição “Joias do DesertO”
Local: Galeria de Arte do SESI-SP – Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso
End.: Av. Paulista, 1313 (metrô Trianon-Masp) – Tels.: (11) 3146-7405/06
Abertura: 12 de março, segunda-feira (somente para convidados)
Visitação: 13 de março a 10 de junho de 2012
Horário: segunda-feira, das 11h às 20h, terça a sábado, das 10h às 20h, e domingo, das 10h às 19h
Agendamento de grupos: (11) 3146-7396, das 10h às 13h e das 14h às 17h.
Entrada franca. O espaço tem acessibilidade.
Concepção: Thereza Collor | Curadora convidada: Ana Cristina Carvalho
Projeto expositivo: Haron Cohen | Produção executiva: arte3/conceito
Coordenação de conteúdo: Maria José Birraque | Registro fotográfico: Hugo Curti

Fonte:Sofia Carvalhosa Comunicação