Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ O beijo no asfalto

O beijo no asfalto

Publicada em : 08/06/2017

spetáculo será realizado na 33ª Mostra de Teatro da Faculdade Paulista de Artes

Helena Ritto
Esta montagem de “O Beijo no Asfalto” respeita o texto original, mas não teme acrescentar a contemporaneidade à trama, como a inserção de fotos tiradas a partir de celular, traçando um paralelo ao imediatismo da notícia. A trama mostra a reviravolta na vida do jovem Arandir, que presencia o atropelamento de um desconhecido e, atendendo a um pedido deste à beira da morte, lhe dá um beijo na boca. Um repórter ganancioso por notícias presencia o fato e vê neste ato de um homem beijar outro homem a possibilidade de vender mais jornal e ganhar muito dinheiro. O caso ganha espaço na imprensa por jornalistas e por policiais sem ética que não temem invadir a privacidade familiar. Destilando a crueldade e o preconceito na sociedade.

A montagem faz parte da XXXIII mostra de teatro da Faculdade Paulista de Artes.
O espetáculo conta com alunos do terceiro e quinto semestres de teatro de 2017, a direção propões uma encenação onde 21 atores dividem os personagens, mostrando a força e potencial de cada em cena.
Para o diretor Marcelo Braga, o espetáculo O Beijo no Asfalto, é um libelo contra a intolerância.
Vivemos tempos de grande intolerância e trazer novamente a cena o texto Beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues, me pareceu muito oportuno e, mais que isso, urgente. A trama mostra como a mídia (representada pelo jornal) que guiava, e ainda guia, a opinião pública, é capaz de destruir a vida de Arandir porque ele beijou um homem que agoniza depois de ser atropelado.
Esta peça é um libelo contra a intolerância revelando a falsidade que envolve as relações sociais, além de abordar o poder devastador da imprensa, através da manipulação dos fatos, feita pelo jornalista Amado Ribeiro. O texto descortina a falta de ética da imprensa, da polícia e também escancara como os vizinhos e os colegas de trabalho condenam Arandir por beijar o atropelado. De honesto e trabalhador, ele passa a ser criminoso e suspeito, porque beijou um homem. A peça esboça um retrato minucioso e terrível da nossa sociedade - preconceituosa e hipócrita – que mata pessoas por demonstrarem seus afetos de maneira livre e verdadeira.
TOLERÂNCIA JÁ!!!


SERVIÇO

Apresentações: dias 19, 20 e 21 de junho de 2017
Horários: 19h e 21h
Duração: 90 minutos.
Faixa etária: indicação acima de 14 anos.
Teatro Ruth Escobar
Sala Myriam Muniz
Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista
Tel: (11) 3289-2358
Capacidade: 70 lugares.
Entrada franca – (chegar com uma hora de antecedência para retirada de senha).
Helena Ritto

Fonte:Elcio Rodrigues